Briga entre torcidas deixa uma pessoa morta e causa destruição no Metrô

809
Foto: Mário Lucas Musial
Publicidade

Em São Miguel Paulista, na Zona Leste, o encontro das torcidas Mancha Verde, do Palmeiras, e Gaviões da Fiel, do Corinthians, terminou em confusão e deixou um pedestre morto. A vítima passava pela região e não fazia parte de nenhuma torcida.

Cerca de 50 torcedores dos dois times se encontraram na estação São Miguel Paulista da Linha 12-Safira da CPTM na Praça Padre Aleixo Monteiro Mafra (popularmente conhecida como Praça do Forró), por volta das 10h20.

Durante a confusão, houve um disparo de arma de fogo, que atingiu o pedestre no coração. A vítima não resistiu aos ferimentos e veio a óbito. Três torcedores foram presos. A polícia vai pedir exame residuográfico para saber se algum dos suspeitos detidos fez o disparo. No local da briga, foram apreendidos 40 cabos de madeira, pedaços de ferro, rojões e gorros que estavam com os torcedores do Corinthians. O caso será registrado no 63º Distrito Policial, da Vila Jacuí, que confirmou que o homem aparenta ser idoso e não estava com documentação e, por isso, ainda não foi identificado.

Estação Brás

Torcedores da Mancha Verde e da Gaviões da Fiel também se encontraram na estação Brás da Linha 3-Vermelha do Metrô e entraram em confronto no fim da manhã deste domingo.
Essa confusão começou quando torcedores do Palmeiras desceram na estação Brás para fazer baldeação com o Metrô. Do outro lado da plataforma havia um trem com corintianos. Na plataforma os torcedores soltaram rojões e assustaram os passageiros no local. A Polícia Militar foi acionada para dar apoio aos funcionários do Metrô.

Policiais militares entraram na estação Brás para interromper o tumulto. Os torcedores fugiram.

Veja imagens da briga na Estação Brás do Metrô entre torcidas organizadas de Corinthians e Palmeiras deste domingo

A circulação dos trens do Metrô foi parcialmente interrompida entre 11h45 e 12h10 na Linha 3- Vermelha. Um trem foi danificado por vândalos. Vidros foram estilhaçados e bancos quebrados e arrancados. A composição danificada foi retirada de circulação para reparos. Por volta das 13h, os trens já circulavam normalmente.

Relato do Mário Lucas Musial que estava na Estação Brás no momento da confusão:

“Por volta de 11h50 eu estava na estação Brás, seguindo sentido Metrô após ter desembarcado da Linha 10-Turquesa da CPTM. No momento em que estava passando naquele corredor onde tem as lojas houve muita correria, eu não sabia o que estava acontecendo e aí eu recuei. Depois de cinco minutos apareceram torcedores da Mancha Verde gritando palavras de ordem e gritos de guerra. Aí a plataforma foi liberada pra subir, mas escutamos barulho novamente e quando estava nas escadas rolantes subindo pra plataforma do Metrô, depois que subi vi o trem parado que estava depredado pelos vândalos. Depois eu embarquei no último vagão de um outro trem, sentido Itaquera, mas antes disso eu vi um usuário na via atrás do trem, os seguranças retiraram ele. O trem depredado não estava fechando as portas por conta dos diversos estilhaços e cápsulas dos rojões, vi um segurança parcialmente ferido mas nada grave. E mais alguns minutos depois ainda não conseguiam tirar o trem por conta dos sensores da portas, mas depois o trem foi recolhido. Segui para o Tatuapé em um outro trem, onde a plataforma lá estava bem cheia. Foi um susto! No momento do vandalismo os trens estavam circulando com intervalos gigantescos entre Barra Funda e Pedro II e entre Itaquera e Bresser. Depois a circulação estava apenas entre Itaquera e Belém. Na estação Belém, na via sentido Pedro II, vi os seguranças tirarem duas ou três pessoas por maca ensanguentadas de dentro dos trilhos.” 

Deixe seu comentário

comentários

Publicidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here