São Paulo elabora sistema municipal de monitoramento de viagens em bicicleta

A Prefeitura de São Paulo, por meio das secretarias municipais de Mobilidade e Trânsito (SMT) e Relações Internacionais (SMRI), lançou na quinta-feira (10/8) a publicação “Plano de Monitoramento de Viagens em Bicicleta em São Paulo”. O material foi produzido pela Ciclocidade, com apoio da SMT, da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e Partnership for Healthy Cities.

A publicação se insere dentro do contexto da elaboração de um sistema municipal de monitoramento de viagens em bicicleta capaz de endereçar, com periodicidade adequada, a pertinente questão: a quantidade de viagens em bicicletas nas ruas de São Paulo está aumentando? O indicador criado pode ser executado pela própria municipalidade sem depender exclusivamente de pesquisas Origem e Destino, executadas a cada 5-10 anos pelo Governo do Estado, e vai auxiliar a Prefeitura no monitoramento de uma expressiva meta, explica Haydée Svab, uma das responsáveis pelo estudo: “A última Pesquisa OD, de 2017, apontou que 0,8% das viagens na cidade são feitas em bicicletas. De acordo com o Plano de Ação Climática do município, a meta é que cheguemos a 4% até o ano de 2030. Nesse contexto é que entra nosso trabalho, pois precisávamos de mecanismos mais eficientes para realizar o monitoramento, com a periodicidade e a frequência que um objetivo como esse demanda”.

No relatório estão apresentados os esforços para a maior contagem de ciclistas da história da capital paulista em 210 pontos e seus achados principais, o modelo elaborado para estimar ciclistas e o plano de contagens estabelecido pela CET. Trata-se de uma definição de 110 pontos a serem acompanhados de forma bianual (55 por ano) de forma a compor o sistema de monitoramento de viagens em bicicleta da cidade.

O secretário municipal de Mobilidade e Trânsito da Cidade de São Paulo, Celso Gonçalves Barbosa, foi representado no evento por Alexandre Trunkl, chefe da Assessoria Técnica da SMT. Ele destacou que “acompanhar mais de perto e com menor periodicidade a evolução das viagens de bicicleta pelas vias da Capital nos auxilia na execução e no aperfeiçoamento das políticas públicas destinadas à mobilidade ativa, tornando-as mais efetivas, beneficiando mais pessoas”.

A secretária-adjunta de Relações Internacionais, Ana Cristina Wanzeler, também presente na ocasião, reforçou a importância do trabalho para a capital paulista: “Em janeiro deste ano assinei o acordo de colaboração entre a Vital Strategies Brasil e o Município de São Paulo. O projeto vai ao encontro do Plano de Metas da Prefeitura, que dá destaque à mobilidade ativa segura e eficiente com vistas à Agenda 2030 da ONU. São 6 anos de trabalho conjunto da Prefeitura com a Parceria por Cidades Saudáveis em prol da segurança viária, mobilidade ativa, e da publicação do Manual de Desenho de Rua de São Paulo”, explica.

O lançamento teve, ainda, a contribuição de Lucila Capelli, subsecretária de Planejamento da Mobilidade de Buenos Aires, que apresentou ações inspiradoras que foram implementadas na cidade e que multiplicaram o uso da bicicleta na capital argentina em poucos anos. “Durante os anos de intervenção, conseguimos vários impactos. Não somente promovemos viagens de bicicleta, nós reorganizamos as vagas de estacionamento e aproveitamos para diminuir os limites de velocidade”, explicou.

Sobre a Partnership for Healthy Cities – PHC

A Partnership for Healthy Cities é uma rede de 70 cidades no mundo comprometidas em salvar vidas prevenindo doenças não transmissíveis (DNTs) e lesões. Apoiada pela Bloomberg Philanthropies em parceria com a OMS e a organização global de saúde Vital Strategies, a iniciativa permite que cidades de todo o mundo forneçam uma política ou intervenção programática de alto impacto para reduzir as DNTs e lesões em suas comunidades. Para mais informações, clique aqui.

Sobre a Ciclocidade

A Ciclocidade – Associação dos Ciclistas Urbanos de São Paulo é uma associação sem fins lucrativos, que tem como missão contribuir para a construção de uma cidade mais sustentável, baseada na igualdade de acesso a direitos, promovendo a mobilidade e o uso da bicicleta como instrumento de transformação.

Desde a sua fundação, em 2009, a Ciclocidade tem participado ativamente da formulação de diversos planos municipais estratégicos relacionados às áreas de mobilidade sustentável, direito à cidade, segurança viária e mudanças climáticas. Dentre eles, estão: o Plano Diretor Estratégico (2014), o Plano de Mobilidade de São Paulo – PlanMob (2016), o Plano de Segurança Viária (2019), o Plano Cicloviário de São Paulo (2020), a Agenda Municipal 2030 (2021) e o Plano de Ação Climática do Município de São Paulo – PlanClima (2021).