Linha 4-Amarela recebe diversas exposições culturais em julho

63
Exposições culturais na Linha 4-Amarela
Foto: Consulado Geral da Hungria/Facebook
Publicidade

Os passageiros que utilizam a Linha 4-Amarela estão convidados para uma viagem cultural por meio das intervenções artísticas que acontecem nas estações.

Quem passar pela linha no mês de julho poderá apreciar as seguintes obras: parte do acervo exposto no Museu de Arte Moderna, da artista Lenora de Barros; painéis fotográficos e textuais, com curadoria do botânico Ricardo Cardim; exposição sobre a vida da Imperatriz Elisabeth; mostra sobre os 120 anos da energia elétrica na capital paulista e o cotidiano dos pacientes com esclerose lateral amiotrófica.

As exposições fazem parte da agenda de atrações culturais e educativas que a concessionária ViaQuatro mantém com objetivo de oferecer cultura, conhecimento e entretenimento aos 800 mil passageiros que circulam pelas estações por dia útil.

Confira as exposições:

Estação Paulista

A ViaQuatro, em parceria com o Fleury Medicina e Saúde, apresenta a mostra Estações Paulista do fotógrafo Claudio Lobo. Sob a curadoria de Marly Porto, 20 fotos mostram a diversidade cultural e social da avenida mais famosa de São Paulo com a proposta de conectar o metrô ao corredor cultural da Avenida Paulista.

O fotógrafo sempre observou a metrópole com a curiosidade de quem vem de fora. Formado em engenharia, seu olhar artístico reflete a relação das pessoas com a cidade que, ao longo do tempo, transforma seu contexto histórico e social.

A exposição permanece para visitação até o dia 31 de julho. Após esse período, ela será exibida nas estações Faria Lima e Oscar Freire, entre agosto e setembro.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Mais informações em https://www.claudiolobo.com.br/exhibition #Fleury #SomosFleury #vejasp #exposição #linha4amarela

Uma publicação compartilhada por Claudio Lobo (@claudiolobo.com.br) em

A Estação Paulista recebe também a obra Procuro-me, da artista Lenora de Barros. Uma parceria entre a concessionária e o Museu de Arte Moderna de São Paulo que levará ao público parte do acervo que integra a coleção do museu.

A obra, que ficará disposta em 20 painéis, exibe diferentes autorretratos da autora, imitando fotografias de pessoas desaparecidas, comuns nas estações de metrô e vias públicas. No entanto, ao invés de estar em busca de outra pessoa, Lenora de Barros procura a si mesma.

A mostra fica em cartaz na estação até o dia 31 de julho, e entre agosto e setembro, irá circular pelas estações Luz e Higienópolis-Mackenzie.

 

Ver essa foto no Instagram

 

#georgkarglfinearts

Uma publicação compartilhada por lenora de barros (@ledebe) em

Estação Oscar Freire

Em parceria com a Bela Vista Cultural, a Estação Oscar Freire recebe em julho a exposição fotográfica Uma Leitura Visual e Poética de São Paulo. As imagens captadas pelo editor Fábio Brito, destacam detalhes e padrões da capital paulista os quais, muitas vezes, passam desapercebidos pelos seus moradores que estão envolvidos em suas rotinas cotidianas.

Após o período de exibição na estação, até o dia 31 de julho, a mostra segue para a Estação Fradique Coutinho, em agosto.

Fábio Brito
Foto: Divulgação

Estação Fradique Coutinho

Em parceria com o Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, a Estação Fradique Coutinho recebe um breve recorte da exposição Remanescentes da Mata Atlântica & Acervo Museu da Casa Brasileira, com painéis fotográficos e textuais, tendo a curadoria do botânico Ricardo Cardim.

A mostra correlaciona as várias tipologias de madeiras do acervo do museu às diversas espécies nativas existentes na Mata Atlântica, algumas centenárias que, ao longo da história, foram utilizadas na confecção do mobiliário nacional e até mesmo estrangeiro.

Com muitas delas desaparecidas ou em processo de extinção, a coleção se torna um testemunho acessível. A mostra permanece para visitação na estação até o dia 31 de julho e, em agosto, segue para a Estação Oscar Freire.

Estação Luz

A mostra, intitulada Olhar Além D’Ela, sobre esclerose lateral amiotrófica, revela um olhar sensível sobre a doença neurodegenerativa ainda desconhecida por muitos. As imagens do fotógrafo André François mostram o cotidiano de todos os envolvidos e a rotina dos pacientes do Instituto.

Em parceria com a organização não governamental ImageMagica e o Instituto Paulo Gontijo, a exposição ficará exposta na Estação Luz no mês de julho.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Hoje é o Dia Nacional de Luta contra a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA). ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Apesar de ser rara, a doença afeta um número estimado de 12 mil pacientes no Brasil. E, para conscientizar as pessoas sobre a ELA, estamos realizando em parceria com o @institutopaulogontijo uma exposição na Estação Paulista de metrô – linha amarela, em São Paulo/SP. A intervenção artística traz um olhar humanizado e sensível sobre o cotidiano dos pacientes e familiares, assim como a conexão entre eles, fortalecida pelos cuidados que a doença exige. Algumas das imagens e legendas foram feitas pelos próprios familiares quando nosso projeto visitou suas casas. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Convidamos você para ir prestigiar a exposição. Hoje, o pessoal do IPG está por lá para informar mais sobre o tema. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ (📸 @camilapasin)

Uma publicação compartilhada por ImageMagica (@imagemagica) em

Estação Higienópolis-Mackenzie

A exposição sobre a vida da Imperatriz Elisabeth e sua relação com a Hungria e o Palácio Gödöllo, chega à estação Higienópolis-Mackenzie. São 14 imagens que ilustram como ela tornou-se imperatriz da Áustria ao se casar com o primo, o Imperador Francisco José.

A mostra realizada em parceria com o Consulado Geral da Hungria em São Paulo, também aborda a relação dela com o Palácio Gödöllo, presente do país húngaro ao casal na coroação deles em 1867, momento em que receberam o título de rei e rainha da Hungria também. A exposição permanece na estação para visitação até o fim de julho.

Estação Faria Lima

A estação Faria Lima recebe em julho a mostra que marca os 120 anos da energia elétrica na capital paulista, Bondes elétricos em São Paulo. Em parceria com a Fundação Energia e Saneamento, a exposição apresenta aos passageiros da linha fotos da implementação da rede de bondes elétricos na cidade.

São imagens raras registradas por Guilherme Gaensly, fotógrafo e imigrante suíço responsável pelas fotos da cidade de São Paulo no início do século XX. O projeto, formado por 20 painéis, exibe registros como, por exemplo, o primeiro bonde elétrico da Light, na Alameda Barão de Limeira.

Leia também

Deixe seu comentário

comentários

Publicidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here