Fortes chuvas provocam alagamentos em São Paulo e Região Metropolitana

2002
avenida do estado chuva
Avenida do Estado na altura do Itaú Unibanco (Foto: Rubens Garcia)
Publicidade

A cidade de São Paulo e Região Metropolitana foram atingidas por fortes chuvas na noite deste domingo, dia 10 de março e na madrugada desta segunda-feira, dia 11 de março. Em consequência disso, diversos bairros ficaram alagados, trazendo muitos prejuízos.

O maior volume de precipitação foi registrado das 19h de domingo às 7h desta segunda-feira. Confira as regiões onde mais choveu de acordo com dados do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais e do Centro de Gerenciamento de Emergências:

  • Ribeirão Pires – 172 mm
  • Mauá – 169 mm
  • Santo André – 160 mm
  • São Bernardo do Campo – 146,7 mm
  • Vila Prudente – 111 mm
  • Jabaquara – 109,5 mm
  • Parelheiros – 107,5 mm
  • Ipiranga – 98,6 mm
  • Vila Maria – 94,6 mm
  • Sapopemba – 88,5 mm
  • Aricanduva – 61,2 mm
  • Mooca – 55 mm
  • Itaquera – 52,8 mm

Durante todo o dia o Mobilidade Sampa acompanhou como ficou a situação nas cidades de São Paulo, Santo André, São Bernardo do Campo, Mauá, São Caetano do Sul e Ribeirão Pires. Continue lendo as principais informações.

SÃO PAULO

Na capital paulista houve transbordamento de vários rios e córregos entre a noite de domingo, dia 10 de março e a madrugada desta segunda-feira, dia 11 de março, de acordo com informações do Centro de Gerenciamento de Emergências da Prefeitura de São Paulo:

  • 22h02 – Transbordamento do Córrego Ipiranga, na Praça Leonor Kaupa com a Avenida Professor Abraão de Morais;
  • 22h02 – Transbordamento do Córrego Mooca;
  • 22h05 – Transbordamento do Rio Verde, na Rua Cunha Porã;
  • 22h05 – Transbordamento do Rio Aricanduva, na altura do Shopping Aricanduva;
  • 22h07 – Transbordamento do Rio Tamanduateí;
  • 23h52 – Transbordamento do Rio Pinheiros, na altura da Ponte João Dias;
  • 1h33 – Transbordamento do Rio Tietê, na altura das pontes do Piqueri, do Limão e Presidente Dutra.

Em consequência disso diversos bairros da capital paulista ficaram alagados:

  • Diversos trechos da Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello viraram praticamente um “rio”, especialmente na altura da Avenida Salim Farah Maluf, Estação Vila Prudente do Metrô, Avenida Paes de Barros e Rua Dianópolis.
  • A Avenida do Estado ficou alagada desde a divisa com São Caetano do Sul até as proximidades da região central. Na altura da fábrica da Lorenzetti uma verdadeira correnteza de água se formou.
  • Quem precisava passar pelo Viaduto Grande São Paulo, na Vila Prudente, não conseguia devido aos alagamentos na região.
  • Na Avenida Doutor Francisco Mesquita, na divisa com São Caetano do Sul, próximo ao final da Rua Ibitirama, a água subiu extremamente e ficou totalmente alagada. Haviam vários carros empilhados no local.
  • Na Zona Sul, motoristas relataram pontos de alagamentos nas avenidas Santo Amaro e Roque Petroni Júnior e no Largo do Socorro.
  • O estacionamento na parte térrea do Central Plaza Shopping ficou totalmente alagado, todas as saídas do shopping ficaram alagadas e muitas pessoas foram obrigadas a passar a noite dentro do shopping, a água só baixou ao longo da manhã.

  • A água tomou conta da Rua Cipriano Barata, no Ipiranga, em um condomínio a água entrou dentro do estacionamento e os motoristas corriam pra tentar tirá-los do local.
  • Pontos de alagamentos foram registrados na Rua Pindamonhangaba, na Vila Prudente e na Rua Cônego Januário, no Ipiranga.
  • Na Marginal Tietê, todas as pistas ficaram alagadas, na altura da Ponte das Bandeiras, sentido Rodovia Castelo Branco, a água demorou para baixar.
  • O bairro do Cambuci sofreu com alagamentos em diversas vias como as ruas Luís Gama, Silveira da Mota, Freire da Silva e dos Alpes.
  • No Ipiranga várias vias ficaram alagadas, dentre elas: Ruas Agostinho Gomes, Brigadeiro Jordão, Guarda de Honra e do Manifesto e as avenidas Tereza Cristina e das Juntas Provisórias.
  • Na Rua Agostinho Gomes, alguns veículos ficaram empilhados.
  • No Tamanduateí, a Rua Forte de São Bartolomeu ficou completamente alagada.
  • Na divisa de São Paulo com São Caetano do Sul, as vias da Vila Califórnia, estavam com muita lama após a água baixar.

  • Na Avenida Dom Pedro I, a água tomou conta da garagem de um condomínio.
  • No Ipiranga, parte do muro da Escola Municipal de Ensino Fundamental Joaquim Nabuco caiu na Praça Doutor Wadih Safady.
  • O único acesso da Vila Prudente para o Centro era realizado pela Avenida Paes de Barros e depois pela Radial Leste.
  • Na altura do número 1.529 da Avenida Sumaré, sentido Centro, por volta das 5h, a queda de uma árvore fez com que a pista ficasse bloqueada, o trânsito estava parado na altura da Estação Sumaré da Linha 2-Verde.
  • Na Avenida Salim Farah Maluf, sentido Vila Prudente, havia uma fila de caminhões parada desde a altura do Largo da Água Rasa. O congestionamento de veículos para quem se dirigia para a Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello era de se perder de vista.
  • Na Avenida Vila Ema, próximo à Avenida Salim Farah Maluf, muitas pessoas andavam a pé em direção à Estação Vila Prudente, já que o trânsito estava completamente parado.
  • Por volta das 9h17, a Companhia de Engenharia de Tráfego registrava 190 km de congestionamento na cidade.
  • Pra quem estava descendo a Rua do Orfanato, na Vila Prudente, na direção do Centro, chegou a ficar parado cerca de 1 hora no congestionamento.
  • Havia muito congestionamento na Estrada do Campo Limpo, na Zona Sul.
  • No Tatuapé, havia muito congestionamento na Praça Sílvio Romero e nas ruas Padre Adelino e Armindo Guaraná.
  • Na região do Viaduto Grande São Paulo, depois que a água baixou, pelo caminho havia muita lama e sujeira nas pistas. Na favela da Vila Prudente, os moradores que perderam seus pertences, deixavam amontoados na pista ao lado.
  • Na Rua Paulo Barbosa, no Ipiranga e nas ruas Dianópolis e Limeira, na Vila Prudente, os moradores que perderam seus pertences por conta das enchentes, amontoavam móveis danificados pela chuva nas pistas.
  • No início da manhã, o nível do Rio Tamanduateí, na altura do Mercadão estava bastante alto.

SANTO ANDRÉ

Na cidade de Santo André, foram registrados índices pluviométricos acima de 160 mm nas últimas horas do domingo, em 6 horas choveu metade do esperado para o mês de março inteiro:

  • Vila Suíça – 160 mm
  • Vila João Ramalho – 154 mm
  • Vila Vitória – 136 mm
  • Vila Humaitá – 130 mm
  • Vila Bastos – 114 mm
  • Parque das Nações – 106 mm
  • Parque Miami – 100 mm
  • Parque Novo Oratório – 91 mm
  • Jardim Rina – 71 mm

  • Quem deixou o carro no estacionamento do Shopping Grand Plaza teve que esperar muito pra sair por causa do alagamento na região.
  • A Avenida Capitão Mário Toledo de Camargo, na altura do Assaí Atacadista, virou praticamente um “rio”.
  • Os bairros Vila Palmares, Parque Capuava e Vila Pires registraram diversos alagamentos.
  • Na região do Moinho Santo André, próximo à Estação Prefeito Saladino da Linha 10-Turquesa da CPTM, tudo ficou alagado incluindo os trilhos.
  • As vias na região do Shopping Atrium e do Carrefour ficaram alagadas.
  • O trecho da Avenida dos Estados que passa pela cidade ficou totalmente alagado.
  • A região central da cidade ficou com muitos pontos de alagamento, muitas pessoas relatavam um verdadeiro caos formado.
  • Em frente à Prefeitura de Santo André um carro pegou fogo no começo da madrugada.
  • Na Avenida Lions, sentido Rodovia Anchieta, tinham diversos trechos intransitáveis por conta de alagamentos e muitos veículos abandonados.
  • Também tiveram alagamentos nas avenidas Edson Danilo Dotto, Lauro Gomes e Giovanni Battista Pirelli.
  • O trânsito na Avenida Lions, no sentido Rodovia Anchieta, ficou completamente parado ao longo da manhã.

A Prefeitura de Santo André realizou trabalhos de recuperação na Avenida Santos Dumont e na Avenida Industrial, próximo às estações da Linha 10-Turquesa da CPTM.

Nos bairros Vila Metalúrgica, Taboão e Vila América também foram realizados trabalhos de recuperação. Na ponte da Avenida André Ramalho foram realizados trabalhos de reparo.

SÃO BERNARDO DO CAMPO

A Prefeitura de São Bernardo do Campo decretou estado de calamidade pública na cidade por conta dos alagamentos e 14 medidas de emergências foram anunciadas pela gestão municipal.

  • Na Avenida Lauro Gomes, os motoristas andavam na contramão para fugir dos alagamentos.
  • Nas avenidas Jurubatuba e Brigadeiro Faria Lima uma verdadeira correnteza se formou por causa do alagamento.
  • Na frente do Extra Anchieta, na Avenida Corredor ABD, os carros “boiavam” por conta do alagamento.
  • No cruzamento da Avenida Robert Kennedy com a Avenida Piraporinha se formou um enorme alagamento.
  • A região do Paço Municipal, no Centro, ficou alagada.

  • Na Avenida Brigadeiro Faria Lima, na altura da Parada Cooperativas, a correnteza da água era enorme, muitos ônibus ficaram parados no local.
  • Houveram registros de alagamentos na Rua Marechal Deodoro e na Avenida Caminho do Mar.
  • A Rua Afonsina, no Rudge Ramos, ficou alagada.
  • Muitas casas na Avenida Caminho do Mar e no bairro Rudge Ramos foram invadidas pela água.
  • A Avenida Senador Vergueiro, próximo ao posto Ipiranga, ficou com ponto de alagamento.
  • Na Avenida 31 de Março, o trânsito ficou congestionado, após o alagamento.

Outros pontos críticos na cidade, de acordo com a Prefeitura de São Bernardo do Campo, foram nos bairros:

  • Parque dos Pássaros
  • Paulicéia
  • Silvina
  • Jordanópolis
  • São Pedro
  • Orquídeas
  • Taboão

Houveram deslizamentos de terra nos bairros Vila São José e na Vila São Pedro. Na Rua da Bica, na Vila São Pedro, houve um escorregamento de grande volume de terra e a área está isolada.

SÃO CAETANO DO SUL

Por conta dos alagamentos, as principais entradas e saídas da cidade de São Caetano do Sul ficaram intransitáveis.

  • Assim como aconteceu em Santo André, o trecho da Avenida dos Estados que passa pela cidade ficou totalmente alagado.
  • A Avenida Guido Aliberti ficou totalmente alagada.
  • O trecho da Estrada das Lágrimas que passa pela cidade também registrou pontos de alagamento.
  • A Rua Walter Figueira, no bairro Cerâmica, onde fica localizado o Hospital São Luiz, também ficou alagada.
  • Na Vila São José e no Jardim São Caetano diversas vias ficaram alagadas.
  • Diversas vias nos bairros Fundação e Prosperidade ficaram alagadas.
  • A Rua Alagoas, na região central, ficou alagada.
  • A água invadiu o hipermercado Extra, o hipermercado Carrefour e o supermercado Sam’s Club deixando muitos prejuízos para os estabelecimentos.
  • Pessoas ficaram ilhadas em um posto de combustível no cruzamento da Avenida Guido Aliberti com a Avenida Papa João Paulo XXIII.

Outras vias da cidade também tiveram alagamentos e ficaram intransitáveis, segundo a Prefeitura de São Caetano do Sul:

  • Avenida Almirante Delamare (Primarca)
  • Viaduto Prefeito Luiz Tortorello
  • Avenida Presidente Wilson (canil da Guarda Civil Metropolitana)
  • Rua São Paulo
  • Rua Mariano Pamplona (Fundação)
  • Avenida Prosperidade
  • Rua Felipe Camarão (continuação da Rua Piratininga)

Muitos moradores relatavam uma onda de arrastões sendo praticadas na Avenida Guido Aliberti. Em diversos bairros da cidade, a energia acabou no final da noite do domingo e voltou hoje por volta das 8h.

A Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana anunciou a suspensão temporária da Zona Sul nos bairros Centro, Cerâmica, Vila São José, Santo Antônio e Fundação.

MAUÁ

Na cidade de Mauá choveu o equivalente a 169 mm, sendo que o previsto para o mesmo período era de 30 mm. Por essa razão, houve deslizamentos na cidade e uma pessoa chegou a ficar soterrada, mas foi resgatada com sucesso.

  • Nas proximidades do Shopping Mauá, foi registrado alagamento na Avenida Santa Catarina.
  • As vias na região do Paço Municipal ficaram alagadas.
  • A Avenida Manoel da Nóbrega, no acesso à Estação Capuava da Linha 10-Turquesa, ficou completamente alagada.
  • Foram realizados trabalhos de recuperação no Jardim Zaíra, na Avenida Capitão João, no Jardim Guapituba, no entorno do Piscinão do Paço Municipal e no Parque Capuava.

RIBEIRÃO PIRES

Na cidade de Ribeirão Pires choveu o equivalente a 172 mm que estava previsto para todo o mês de março. Na Rua Caiçara, no bairro Estância das Rosas, houve deslizamento de terra com vítimas. Na Avenida Humberto de Campos, uma árvore caiu, bloqueando os dois sentidos da via.

Outras pontos críticos registrados na cidade foram nas avenidas Rotary e Kaethe Richers e nas ruas Clemente Peralta, Paraíso e Sete de Setembro, além de vias no bairro Jardim Caçula. Um muro caiu na Rua Professor Antônio Nunes, no bairro Santa Luzia.

RODOVIAS

ANCHIETA

As pistas Sul (central) e Norte (marginal) da Rodovia Anchieta ficaram bloqueadas emergencialmente entre os quilômetros 10 e 13, no trecho de São Bernardo do Campo, em razão de um alagamento causado pela cheia do Córrego Ribeirão dos Couros, durante a madrugada os motoristas chegaram a ficar mais de 6 horas parados.

Um pouco antes das 3h da madrugada, a Polícia Rodoviária iniciou uma operação que conduziu todos os motoristas que estavam com os veículos represados na pista Sul até a pista Norte para seguirem viagem.

Após às 5h, a passagem de veículos foi liberada na pista Sul, no km 13, após a água baixar. Logo em seguida, a água baixou na pista Norte, no km 13 e foi necessário realizar a limpeza da pista para a liberação total ao tráfego de veículos.

TAMOIOS

A Rodovia dos Tamoios teve o trecho de serra interditado, devido ao alto volume de chuva e risco de queda de barreiras. Os motoristas tinham como alternativa utilizar as rodovias Oswaldo Cruz e Mogi Bertioga.

Por volta das 18h, foram realizadas operações comboios para liberação do tráfego de veículos que se encontravam em postos de serviços próximos aos bloqueios do trecho de serra. No período da noite, o trecho de serra permanecia bloqueado.

DUTRA

Na Rodovia Presidente Dutra, sentido São Paulo, na passagem pela cidade de Guarulhos, o trânsito ficou congestionado por um longo período da manhã, entre os quilômetros 217 e 231, em ambas as pistas, em razão do congestiomanento na Marginal Tietê.

Na altura do quilômetro 227, muitos motoristas desistiam de seguir viagem e voltavam pra casa. Na passagem pelo Parque Novo Mundo o congestionamento estava tenebroso.

RIO-SANTOS

Na Rodovia Rio-Santos, no trecho São Sebastião – Ubatuba, no começo da manhã havia tráfego lento em alguns trechos entre os quilômetros 97 e 93, em razão de risco de quedas de barreira e pontos de alagamento.

No período da tarde, havia tráfego fluindo no sistema pare e siga entre os quilômetros 97 e 115, além de tráfego lento em vários pontos, devido quedas de árvores. Em São Sebastião, houve queda de barreira entre os quilômetros 115 e 118, no acostamento e no trecho do km 115, sentido Guarujá, o tráfego fluia no sistema pare e siga.

No km 118 havia operação tapa-buraco por conta de erosão na pista. Um pouco depois das 19h o tráfego normalizou na Rodovia Rio-Santos.

OSWALDO CRUZ

Na Rodovia Oswaldo Cruz, no período da tarde, havia lentidão entre os quilômetros 94 e 78, na direção de Taubaté.

RODOVIÁRIAS

Por conta dos alagamentos, quem precisava pegar ônibus para outras cidades do Estado de São Paulo, nos terminais de São Caetano do Sul, São Bernardo do Campo e Santo André, enfrentava atrasos.

CICLOVIA RIO PINHEIROS

A Ciclovia Rio Pinheiros ficou interditada em razão do risco de alagamento do rio em alguns trechos.

ENERGIA

A Enel informou que na região do ABC Paulista, duas subestações da companhia ficaram alagadas e impactaram o fornecimento de energia no bairro Rudge Ramos em São Bernardo do Campo, nos bairros Sacomã e São João Clímaco em São Paulo e em diversos bairros de São Caetano do Sul, no decorrer da madrugada 80% do fornecimento havia sido restabelecido.

LINHA 10-TURQUESA DA CPTM

Em razão das fortes chuvas que caíram durante a noite deste domingo, dia 10 de março e na madrugada desta segunda-feira, dia 11 de março, a circulação de trens da Linha 10-Turquesa da CPTM ficou totalmente paralisada na manhã e tarde desta segunda-feira.

Alguns passageiros que residem no ABC chegaram a passar a noite nas estações porque não conseguiram sair das estações em razão de alagamentos na região das estações.

A operação Paese (Plano de Atendimento entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência) foi acionada. Entretanto, por causa de alagamentos, os ônibus não conseguiam chegar às estações que atendem a linha.

Um pouco depois das 19h, a circulação de trens foi retomada na Linha 10-Turquesa, porém com maior tempo de parada e velocidade reduzida.

ÔNIBUS

Quem utiliza os ônibus municipais da SPTrans e intermunicipais da EMTU enfrentaram dificuldades em vários bairros de São Paulo e Região Metropolitana por causa dos alagamentos em diversas regiões. A situação foi normalizada ao longo da manhã desta segunda-feira.

LEIA TAMBÉM

MOBILIDADE SAMPA

Quer ficar informado sobre tudo o que acontece na mobilidade urbana de São Paulo e Região Metropolitana?

Então curta nossa página no Facebook.

Siga o @mobilidadesampa no Twitter.

Siga o @mobilidadesampa no Instagram.

Fique tranquilo. Não enviamos spam, a sua privacidade será respeitada e você poderá sair facilmente quando desejar.

Deixe seu comentário

comentários

Publicidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here