Aplicativo lançado pela UNESP e CPTM contava a história da ferrovia

Utilizada pelo Expresso Turístico Jundiaí e Paranapiacaba, a primeira linha de trem de São Paulo completa 150 anos

338
história da ferrovia
Foto: Divulgação

Em comemoração aos 150 anos da primeira ferrovia de São Paulo, a Universidade Estadual Paulista em parceria com a CPTM, lançavam em fevereiro de 2017, um aplicativo de celular que contava a história da ferrovia. Com o recurso, os passageiros do Expresso Turístico podiam consultar durante as viagens um mapa on-line, que identificava as estações e as respectivas datas de inauguração.

O aplicativo foi desenvolvido dentro do Projeto Memória Ferroviária, da Universidade Estadual Paulista (Campus de Rosana, Assis e Bauru), coordenado pelo professor Eduardo Romero de Oliveira.

Para explicá-lo, o pesquisador e criador do dispositivo, Ewerton de Moraes, fez uma apresentação no Expresso Turístico Jundiaí no sábado, dia 18 de fevereiro de 2017, e na viagem para Paranapiacaba no domingo, dia 19 de fevereiro de 2017.

Os amantes da história da ferrovia também tiveram a oportunidade de conhecer a maquete da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí, com elementos urbanos e rurais, a Vila de Paranapiacaba e casas padrão São Paulo Railway, além da primeira locomotiva da São Paulo Railway que também compõe a maquete e ficou exposta na Estação da Luz, no dia 18 de fevereiro de 2017.

Foto: Divulgação

Batizado como “SPR 150”, o aplicativo homenageava a São Paulo Railway, companhia inglesa que operava a linha Santos-Jundiaí. Em 1992, a linha foi dividida e coube a CPTM administrar os trechos Luz – Jundiaí, pela Linha 7-Rubi (antiga Linha A), e Brás – Rio Grande da Serra, pela Linha 10-Turquesa (antiga Linha D).

As duas linhas também são utilizadas pelo Expresso Turístico que oferece viagens para Jundiaí, pela Linha 7-Rubi, e Paranapiacaba, pela Linha 10-Turquesa. A operação entre Rio Grande da Serra e o Porto de Santos é realizada pela MRS, que obteve a concessão para a circulação dos trens de carga.

Para baixar o programa, era preciso ter um celular Android e acessar um link que ficou disponível no Google Drive ou o QR Code disponibilizado na imagem abaixo.

Foto: Divulgação

Deixe seu comentário