Desvio de tatuzão na Linha 6-Laranja manterá escola de samba Vai-Vai em sua sede

387
Foto: Reprodução/Apontador

A escola de samba Vai-Vai, presente há 86 anos no tradicional bairro italiano do Bixiga Centro de São Paulo, que ocupa o mesmo endereço há 42 anos, estava ameaçada pelas obras da futura estação 14 Bis da linha 6-Laranja, do Metrô.

Porém, após revisão no projeto da linha, técnicos perceberam que era possível desviar o trajeto do “shield” – mais conhecido como tatuzão, que perfura os túneis por onde passarão os trens – e manter a escola de samba onde está. No lugar dela, será utilizada uma área de um posto de gasolina próximo dali, já desocupado.

A manutenção do endereço tradicional da escola foi recebido com reservas pelos dirigentes. Isso porque eles estão preocupados se o canteiro de obras irá inviabilizar os ensaios. A Secretaria de Transportes Metropolitanos informou que os sambistas e técnicos devem se reunir amanhã para discutir o assunto. O objetivo é encontrar meios de não atrapalhar as atividades da escola, diz a pasta.

Desapropriações

O anúncio de que a Vai-Vai deveria sair da Bela Vista rumo a um terreno na Ladeira da Memória, no Anhangabaú (Centro de São Paulo), foi feito no início do ano passado. Os moradores do Anhangabaú, porém, não gostaram da ideia e fizeram um abaixo-assinado contra a mudança, temendo os ensaios que costumam arrastar milhares.

A Vai-Vai era uma das 370 ações de desapropriação previstas para criação do novo ramal, que, quando pronto, em 2020, fará integração com duas linhas de metrô (1-Azul e 4-Amarela) e duas da CPTM (7-Rubi e 8-Diamante).

Até agora foram feitas 282 desapropriações na Justiça, e as demais, devem ocorrer até o final deste semestre, segundo a Concessionária Move São Paulo, vencedora da licitação da PPP (parceria público-privada) feita para criação do ramal. Estão previstos investimentos de R$ 9,9 bilhões.

* Com informações do Destak Jornal

Deixe seu comentário