Prefeitura de Guarulhos exige que futura concessionária da rodovia Presidente Dutra assuma obras contra enchentes na cidade

71
Rodovia Presidente Dutra Audiência em Guarulhos
Foto: Divulgação

O aumento da vazão de 14 galerias de rios e córregos que passam sob a rodovia Presidente Dutra é uma das exigências da Prefeitura de Guarulhos à Agência Nacional de Transportes Terrestres para serem incluídas no edital da nova concessão do empreendimento.

Administrada pela concessionária CCR Nova Dutra há 25 anos, a rodovia terá a concessão renovada a partir de 2021 pelo período de 30 anos.

Audiência pública realizada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres no auditório da Regional Guarulhos do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo nesta quinta-feira, dia 7 de fevereiro de 2020, apresentou as propostas para a concessão e recebeu sugestões.

A Prefeitura de Guarulhos, representada pelo secretário-adjunto de Transportes e Mobilidade Urbana, Márcio José Pontes, protocolou uma série de obras para resolver problemas da população da cidade, tanto de mobilidade urbana como de enchentes.

“O projeto dessas galerias é dos anos 1950 e está totalmente ultrapassado. Precisamos que a nova concessionária faça as obras que solucionem, de uma vez por todas, o problema das enchentes”, disse. Segundo ele, a rodovia Presidente Dutra funciona como uma espécie de represa, causando alagamentos em diferentes bairros de Guarulhos.

A Prefeitura de Guarulhos também reiterou sua posição contrária a qualquer tipo de cobrança de pedágio que possa vir a onerar os guarulhenses. O tema ganhou relevância há 15 dias quando o prefeito Guti recorreu ao presidente Jair Bolsonaro, que ratificou a posição do prefeito.

“Nosso governo vai propor a diminuição do valor do pedágio, bem como não permitirá a construção de novas praças de cobrança. Guarulhos não terá pedágio”, disse Jair Bolsonaro em suas redes sociais.

O gerente de regulação e outorgas de rodovias da Agência Nacional de Transportes Terrestres, Marcelo Fonseca, aponta que, dependendo das discussões, existe a possibilidade de um novo tipo de cobrança pelo sistema free flow, mas somente para usuários da pista expressa, que ganharia uma configuração diferente da atual, sem – em hipótese alguma – cobrar de motoristas que utilizem as outras pistas para acessar os mais diferentes bairros de Guarulhos.

“A ideia é que as vias marginais sigam como é hoje, sem cobrança nenhuma, mas na via expressa pode ocorrer a tarifação por meio de uma tecnologia em que é possível cobrar por quilômetros rodados, com pórticos que identificam os veículos no momento em que ingressam e saem da rodovia”, afirmou.

“O nosso prefeito já afirmou, de forma categórica, que não aceitará nenhum aumento de pedágio que incida sobre a população guarulhense que se utiliza da Dutra, tanto na via expressa como na local”, afirmou Márcio José Pontes.

Mais reivindicações

Outros pedidos foram encaminhados para a Agência Nacional de Transportes Terrestres pelo secretário Paulo Carvalho, titular da Secretaria de Transportes e Mobilidade Urbana, no dia 21 de janeiro deste ano.

Entre eles destaca-se a retirada do viaduto existente em Bonsucesso, mas já interditado, no quilômetro 210, quando forem construídas as marginais. Também se pede a adequação estrutural da rodovia no trecho em frente ao Internacional Shopping para que se possa fazer a duplicação da Avenida Guarulhos.

Para diminuir o número de acidentes que ocorrem no período noturno no trecho de Guarulhos, também foi solicitada a iluminação da rodovia em toda essa região.

A Secretaria de Transportes e Mobilidade Urbana pede ainda a abertura do acesso da rua Indubel, no quilômetro 213,4, em decorrência da construção da Marginal Sul, já que o seu fechamento trouxe perdas significativas à mobilidade urbana e ao escoamento da produção industrial do município. As alternativas existentes de acesso à rodovia encontram-se a 4,5 quilômetros de distância (Trevo de Bonsucesso) e a 3 quilômetros (Avenida Santos Dumont).

Também se faz necessária a implantação de alternativa de acesso da Rua Manoel Alonso Almendra à rodovia, de acordo com o projeto funcional elaborado pela CCR NovaDutra, para que sejam minimizados os transtornos às empresas instaladas nas proximidades ocasionados com o fechamento do antigo acesso, pela construção da pista Marginal entre os quilômetros 211,7 e 216,1.

Outra obra de grande importância viária seria o acesso direto da Marginal Baquirivu para a rodovia Presidente Dutra, pelo Parque Cecap. Trata-se de um projeto para a fluidez viária na região do Aeroporto Internacional de Guarulhos e bairros industriais da cidade, uma vez que os veículos provenientes de Guarulhos entrariam direto na rodovia Presidente Dutra no quilômetro 219, sem acessar a rodovia Hélio Smidt, melhorando a saída do aeroporto.

Faixas exclusivas de transporte coletivo

Outra reivindicação levada para a Agência Nacional de Transportes Terrestres diz respeito às faixas exclusivas de transporte coletivo. Elas seriam implantadas no período da manhã, no sentido São Paulo, das 6h às 9h, e no período da tarde, em sentido contrário, das 17h às 20h.

No trecho entre São Paulo e Guarulhos circulam 569 ônibus, que atendem 78 linhas e transportam 204.625 passageiros diariamente.

Projeto da Agência Nacional de Transportes Terrestres

O projeto apresentado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres já contempla diversas melhorias no trecho de Guarulhos da rodovia Presidente Dutra, como a implantação de 31 quilômetros de faixas adicionais e 6,5 quilômetros de vias marginais, entre os quilômetros 205 e 211,5, passando do Trevo de Bonsucesso até próximo ao bairro Cidade Aracília, além de 23 passarelas e duas alças de conversão para a rodovia Hélio Smidt, a partir da pista expressa.

No trecho paulistano estão previstas ainda alças diretas de acesso da pista expressa para a rodovia Fernão Dias e também para a Avenida Salim Farah Maluf, medidas que devem ajudar a diminuir o número de veículos que transitam na pista marginal.

Deixe seu comentário