Plataforma de dados sobre acidentes de trânsito em São Paulo é lançada

165
acidentes
Cerimônia de encerramento do Seminário "O Futuro da Mobilidade Segura" (Foto: Leon Rodrigues/Secretaria de Comunicação)

A Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes lançou nesta segunda-feira, dia 17 de setembro, uma nova plataforma para a visualização de dados relacionados a acidentes de trânsito na cidade de São Paulo.

Chamada de Vida Segura, a ferramenta criada pelo Banco Mundial foi adaptada para a Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes pela Iniciativa Bloomberg para a Segurança Global no Trânsito, com base nos dados consolidados de acidentes fatais e com vítimas da Companhia de Engenharia de Tráfego.

vida segura

Com o novo programa, qualquer pessoa terá acesso ao banco de acidentes de trânsito da cidade dos últimos três anos (2015, 2016 e 2017) de maneira interativa e de fácil pesquisa. O lançamento aconteceu durante o seminário “O Futuro da Mobilidade Segura”, na Biblioteca Mário de Andrade, que abre a Semana da Mobilidade 2018 em São Paulo.

Os dados de acidentes já são utilizados pela Companhia de Engenharia de Tráfego para análise de pontos críticos na cidade e norteiam o planejamento de ações para proteção à vida e redução de acidentes. Essa nova plataforma será uma importante ferramenta para tornar ainda mais dinâmica essa tomada de ações e o planejamento pontual em regiões que registram elevados índices de acidentes.

Produzido em código aberto, o Vida Segura é uma adaptação do “Data for Road Incident Visualization, Evaluation, and Reporting”, projeto conjunto entre o Banco Mundial – parceiro da Iniciativa Bloomberg – e a Azavea, uma empresa norte-americana de geoprocessamento e aplicações web.

mobilidade segura
Cerimônia de encerramento do Seminário “O Futuro da Mobilidade Segura” (Foto: Leon Rodrigues/Secretaria de Comunicação)

A plataforma é mais uma medida que reforça a transparência ativa com relação aos dados coletados pela cidade. O usuário poderá analisar as informações de acidentes de trânsito na cidade, como gênero, idade, local e horário, além de identificar pontos críticos e fazer recortes geográficos a partir do histórico de ocorrências por Distritos Administrativos e Subprefeituras.

O Vida Segura aponta, por exemplo, que entre janeiro de 2017 e 1º de janeiro de 2018 a região da Subprefeitura Sé registrou 24 atropelamentos com vítimas fatais. No mesmo período, foram registrados 8 atropelamentos com vítimas fatais no perímetro da Subprefeitura Santana/Tucuruvi. Na região da Subprefeitura Mooca foram registrados 272 atropelamentos, sendo 13 com vítimas fatais e 259 com vitimas feridas.

Todas as informações ficarão disponíveis para download. O sistema utiliza os dados consolidados da Companhia de Engenharia de Tráfego sobre acidentes, usando a mesma metodologia desde 1979, que leva em conta os dados dos Boletins de Ocorrência, permitindo uma base sólida de pesquisa.

Para utilizar o Vida Segura basta acessar o site oficial da plataforma.

VIDA SEGURA

Em maio de 2018, a Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes anunciou o Programa Vida Segura, adotando o conceito de Visão Zero, que parte da premissa de que nenhuma morte é aceitável no trânsito. Criado na Suécia em 1997, o Visão Zero já é usado como referência para a implementação de um plano de segurança viária de longo prazo em cidades como Nova York, Cidade do México, Bogotá e, mais recentemente, São Paulo.

O Programa Vida Segura inclui ações já em desenvolvimento pela Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes como Pedestre Seguro, Marginal Segura, M’Boi Segura, Celso Garcia Segura, Ruas Completas, controle da velocidade dos ônibus em 50 km por hora, Sexta Sem Carro e Áreas Calmas.

Deixe seu comentário

comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here