Chuva deixa capital paulista sob estado de atenção para alagamentos

150
Chuva causa alagamento na Avenida Rubem Berta com a Avenida José Maria Whitaker em São Paulo (SP), nesta segunda-feira (06). (Foto: Adriana Barbosa/Futura Press/Estadão Conteúdo)

O Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da Prefeitura de São Paulo colocou em estado de atenção para alagamentos, nesta segunda-feira (6), toda a cidade de São Paulo. A medida teve início às 15h40. Às 17h45, houve o transbordamento do Córrego Ipiranga, motivando o início de um estado de alerta na Subprefeitura do Ipiranga.

O estado de alerta na região do Ipiranga foi encerrado às 18h, após o enfraquecimento da chuva e escoamento da água transbordada do rio. Já o estado de atenção para alagamentos foi encerrado às 18h15, pelo Centro de Gerenciamento de Emergências.

A Prefeitura de São Paulo coloca bairros em atenção quando há a possibilidade de alagamentos. O alerta ocorre quando há o transbordamento de rios ou córregos.

Foram registrados três pontos de alagamento ativos, porém transitáveis, na cidade:

– Avenida Moreira Guimarães, próximo ao Aeroporto de Congonhas.
– Marginal Pinheiros, sentido Rodovia Castelo Branco, próximo à Ponte do Morumbi.
– Avenida Rubem Berta, próximo à Avenida José Maria Whitaker.

Durante o período de chuva intensa, nenhum ponto de alagamento intransitável foi registrado pelo Centro de Gerenciamento de Emergências, na capital. Segundo o órgão, áreas de instabilidade que cobrem a cidade foram reforçadas pela propagação de uma frente fria vinda do oceano, provocando o mau tempo que atingia São Paulo nesta tarde.

Por conta da chuva, os trens da Linha 5-Lilás do Metrô circularam por cerca de duas horas com velocidade reduzida e maior tempo de parada nas estações, no trecho entre as estações Capão Redondo e Adolfo Pinheiro. Às 18h20, a situação já havia sido normalizada. Não houve alteração na circulação dos trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

Às 18h30, o Corpo de Bombeiros havia registrado 50 quedas de árvore por conta da chuva na região metropolitana de São Paulo, só nesta segunda-feira. No horário, equipes da corporação trabalhavam no atendimento a 15 dessas ocorrências.

Franco da Rocha

A Represa Paiva Castro atingiu 70% da capacidade na tarde desta segunda, segundo a Prefeitura de Franco da Rocha. Na tarde de domingo (5), o nível era de 37%. A represa fica a 5 km de Franco da Rocha e precisa ser aberta para evitar rompimentos quando atinge capacidade máxima.

Com a previsão de mais chuvas para os próximos dias, a Prefeitura de Franco da Rocha informou ainda que se a abertura de comportas for necessária, será feita “feita de forma cadenciada, para evitar novas inundações no município”. A orientação da Defesa Civil é que moradores de áreas de risco saiam “imediatamente de suas casas”.

Fonte: G1

Deixe seu comentário

comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here