Bombeiro civil morto em incêndio na Estação da Luz é enterrado

343
Foto: Adriano Vizoni/Folhapress

O corpo do bombeiro civil Ronaldo Pereira da Cruz, 39, que morreu ontem no incêndio no prédio da estação da Luz, foi enterrado na tarde desta terça-feira, no cemitério da Vila Nova Cachoeirinha, zona norte de São Paulo.

O caixão foi sepultado às 17h20 – exatamente 25 horas e 30 minutos depois do início do incêndio que destruiu o Museu da Língua Portuguesa, que ficava na estação.

Ronaldo foi a única vítima do incêndio.

O enterro foi acompanhado por cerca de 50 bombeiros. Ao final, eles cantaram o hino dos bombeiros, com as mãos no peito – alguns choravam.

A mulher de Ronaldo, Rita de Cássia Cruz, 49, bastante emocionada, ficou ao lado do caixão o tempo todo, desde o velório.

Rita contou nesta manhã ao jornal Folha de São Paulo que o marido era um apaixonado pela profissão e capaz de dar a vida pelas pessoas. Ele trabalhava havia seis anos como bombeiro, três deles como brigadista terceirizado no museu. Nesta segunda, Cruz ajudou os funcionários a deixarem o prédio. “Ele fazia o que gostava. Pode ter certeza, era com amor. Onde estiver agora está se sentindo com o dever cumprido”, disse Rita.

Casado havia seis anos, o casal costumava trocar mensagens apaixonadas por um aplicativo de mensagens instantâneas várias vezes ao dia.

Leia também:

Incêndio atinge Museu da Língua Portuguesa em São Paulo

Museu da Língua Portuguesa não tinha auto de vistoria dos Bombeiros

Geraldo Alckmin diz que reconstruirá museu incendiado

Bombeiro civil morre após tentar combater incêndio no Museu da Língua Portuguesa

Estação da Luz da CPTM é fechada após fogo em Museu da Língua Portuguesa

Deixe seu comentário

comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here