Greve do Metrô pode ter catracas livres na quarta-feira, dia 1º

107
Greve do Metrô Metroviários Linha 3-Vermelha Estação Bresser-Moca
Foto: Roberto Trevisan Tavares

Em uma transmissão ao vivo na página do Sindicato dos Metroviários de São Paulo no Facebook, a categoria anunciou o indicativo de greve para a próxima quarta-feira, dia 1º de julho de 2020, onde a categoria pode adotar um novo modelo de protesto, com os trens operando normalmente e as catracas livres para os passageiros.

O objetivo da categoria é que as alterações na folha salarial sejam revistas. O Metrô pretende retirar alguns direitos como:

  • Redução da hora extra de 100% para 50%;
  • Fim do adicional de periculosidade dos Operadores de Trem e Agentes de Segurança;
  • Redução do adicional noturno de 50% para 20%;
  • Fim do auxílio-transporte da complementação salarial, entre outros.

Na tarde desta terça-feira, dia 30 de junho, será realizada uma reunião on-line de conciliação para que o Governo do Estado de São Paulo e os metroviários cheguem a um acordo para evitar a paralisação ou o novo modelo de protesto.

“Não queremos e não estamos pedindo aumento salarial, mas respeito ao que construímos nos últimos 40 anos”, disse o coordenador do Sindicato dos Metroviários, Wagner Fajardo, durante a transmissão ao vivo.

O Sindicato dos Metroviários vai realizar uma votação on-line na noite desta terça-feira, na sede do sindicato no bairro do Tatuapé, onde também haverá uma assembleia presencial, respeitando os cuidados sanitários que permitam evitar a propagação do coronavírus.

A decisão de greve na quarta-feira será tomada caso o Governo do Estado de São Paulo decida não negociar com a categoria.

Nesta terça-feira, estaremos acompanhando o resultado da votação dos metroviários e novas informações serão divulgadas aqui no site.

Deixe seu comentário