Integração é a saída para melhora do transporte coletivo, explica especialista

Segundo dados da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos, mais de 12 milhões de brasileiros deixaram de usar ônibus em 2018. Na cidade de São Paulo, por exemplo, o número de viagens realizadas no transporte público da cidade de São Paulo caiu 4,29%, entre julho de 2018 e junho de 2019.

Os dados são de um levantamento realizado pela SPTrans, empresa municipal responsável pela gestão do transporte coletivo.

O surgimento de novas soluções de transporte impacta diretamente estes números. Em São Paulo, por exemplo, de acordo com a Pesquisa Ordem e Destino 2017, o uso do táxi aumentou 414%, e os serviços de táxi demandados por aplicativo, são responsáveis por 79% das viagens nesse modo.

Outro fenômeno destacado na pesquisa é o uso de automóvel privado, que cresceu 37% nas três faixas de renda baixa – o que se deu pela redução de juros e aplicação de incentivos fiscais na última década, facilitando a aquisição de um carro.

Pedro Somma, diretor de Relações Institucionais da Quicko, startup de Big Data em Mobilidade Urbana, as novas opções de locomoção podem otimizar a utilização do transporte coletivo.

Para isso, é necessário a melhor utilização das informações e dados do transporte público, que podem ser cruzados com as novas formas de locomoção, otimizando as rotas dos usuários e criando a integração dos diversos meios disponíveis em uma cidade.