Acidentes com vítimas caem 16% na cidade de São Paulo em 2017

Dados consolidados da Companhia de Engenharia de Tráfego mostram que ocorreram 2.569 acidentes a menos em toda a cidade, em relação ao ano de 2016; Número de mortes no trânsito caiu 7%, menor índice de toda a série histórica da companhia. Em 2017, foram 797 óbitos, contra 854, no ano anterior.

0
65
situação do transporte Rodízio municipal de veículos Acidentes com vítimas avenida 23 de maio trânsito

A Cidade de São Paulo registrou o menor número de acidentes fatais e também com vítimas em 2017, de acordo com o relatório anual de dados consolidados da Companhia de Engenharia de Tráfego.

Em 2017, foram 13.483 acidentes com vítimas, queda de 16% em relação ao ano anterior, quando houve 16.052. O total de vítimas também caiu de 19.235 para 16.252 pessoas, nos últimos dois anos.

O número de mortes no trânsito da cidade também caiu em 2017: 7%. Em 2016, ocorreram 854 mortes. Em 2017, foram 797. É o menor número de mortes da série histórica da Companhia de Engenharia de Tráfego. O índice de fatalidade no ano de 2017 foi de 6,56 por 100 mil habitantes. Esse número se aproxima da meta estipulada pela cidade de São Paulo em compromisso com a Organização das Nações Unidas, de 6 mortes por 100 mil habitantes. No Brasil, essa taxa é de 23,4 mortes/100 mil habitantes.

“Os resultados de 2017 refletem o trabalho adotado desde o início da gestão, que prioriza medidas voltadas para a proteção da vida e da redução de acidentes. A Secretaria Municipal de Mobilidade Transportes e a Companhia de Engenharia de Tráfego mantêm uma análise permanente do comportamento da cidade e, com isso, tem adotado medidas de segurança viária. No ano passado, iniciamos os programas específicos, como o Trânsito Seguro e o Pedestre Seguro, além de ações para motos e condutores de transporte coletivo, reforço na fiscalização e melhorias da sinalização nas vias que estão contribuindo com a queda de acidentes em São Paulo”, explica João Octaviano Machado Neto, secretário municipal de Mobilidade e Transportes.

A cidade também diminuiu em 13% o número de vítimas por atropelamento, com 545 casos a menos do que em 2016.

Apesar da redução de 15,85% no número de acidentes com vítimas com relação a 2016, no ano passado motociclistas representaram a metade dos feridos em ocorrências de trânsito na capital, com 8.089 pessoas.

Em 2017, o número de vítimas em veículos somou 3.880. No ano passado, 3.611 pedestres e 428 ciclistas foram vítimas de acidentes.

Os dados consolidados da Companhia de Engenharia de Tráfego são feitos com base nos números do Sistema de Informação Criminal, da Polícia Civil. Trata-se da mesma metodologia de estatísticas utilizada pela companhia desde 1979, ano e quem teve início o trabalho de compilação de acidentes de trânsito no município de São Paulo.

Vias com maior número de acidentes fatais

Em 2017, a Marginal Tietê registrou o maior número de acidentes fatais com 20 óbitos. Na sequência aparecem:

Avenida Senador Teotônio Vilela – 19
Marginal Pinheiros – 14
Estrada de Itapecerica – 13
Avenida Belmira Marin – 9
Avenida Jacu-Pêssego – 9
Avenida Sapopemba – 8
Avenida Marechal Tito – 8
Estrada do M’Boi Mirim – 7
Avenida do Estado – 7

O Programa Marginal Segura foi implantado em janeiro de 2017 e, além de readequar a velocidade nas vias, foi responsável por implantar uma série de ações de segurança, sinalização e educação no trânsito para aumentar a segurança dos motoristas, pedestres, ciclistas e usuários do transporte público. Além disso, manteve a velocidade de 50 km/h na faixa da direita da pista local, pela qual transitam os ônibus e que permite conversão à direita.

No ano passado, o número de acidentes com vítimas na Marginal Pinheiros caiu de 254 em 2016 para 227 em 2017. Na Marginal Tietê, o número de acidente com vítimas passou de 218 em 2016 para 235 em 2017.

Estrada do M’Boi Mirim tem queda de 68% número de mortes por acidentes

O número de mortes em acidentes de trânsito na Estrada do M’Boi Mirim apresentou queda de 68% em 2017, ano em que a Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes implantou o Programa M’Boi Segura, com ações de melhorias na sinalização, alterações viárias nos pontos de maior risco, intensificação da fiscalização e maior segurança aos pedestres, motociclistas, ciclistas e passageiros de ônibus e motoristas. Em 2016, foram registradas 22 mortes na via, que liderava o ranking das avenidas com mais acidentes fatais na capital. Em 2017, foram 7 mortes nesse corredor.

O número de acidentes com vítimas também caiu: 69 ocorrências com vítimas contra 134 no ano anterior. Lançado em 31 de julho de 2017, o Programa M’Boi Segura tem como principal objetivo reduzir o número de acidentes na avenida. As ações são realizadas de forma integrada pelas equipes da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes, da Companhia de Engenharia de Tráfego e da SPTrans. O Programa M’Boi Segura também conta com a participação da Prefeitura Regional do M’Boi Mirim, da Polícia Militar e do Comando de Policiamento de Trânsito da Polícia Militar.

Das sete mortes ocorridas na avenida no ano passado, duas foram após a implantação do programa, ambas envolvendo motociclistas. No ano, três pessoas morreram por atropelamentos (dois causados por ônibus e um por carro) e quatro em colisões, sendo duas envolvendo carro e moto, uma entre carro e ônibus e uma entre moto e ônibus.

A Estrada do M’Boi Mirim é um dos corredores mais importantes da Zona Sul, com 10 km de extensão e, em 2,5 km deles há faixa reversível de trânsito. As ações executadas na via seguem o modelo do Programa Marginal Segura, implantado em janeiro de 2017.

“A Estrada do M’Boi Mirim foi a via com maior número de óbitos de 2017. Para mudar essa realidade, levamos o conceito de via segura e implantamos o Programa M’Boi Mirim Segura, em uma ação integrada com técnicos da secretaria, da Companhia de Engenharia de Tráfego, da SPTrans, da Prefeitura Regional do M’Boi Mirim e da comunidade. O resultado foi animador no primeiro ano e serve como base para que possamos levar o conceito para outras vias com alto índice de acidentes na cidade”, ressalta o secretário João Octaviano Machado Neto.

Deixe seu comentário

comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO