Ônibus da Mobibrasil na Zona Sul já circulam sem cobradores

504
Ônibus Mobibrasil
Foto: Divulgação/Inbus

Os ônibus da linha 576C-10 Metrô Jabaquara/Terminal Santo Amaro, da empresa Mobibrasil, na Zona Sul, já estão circulando sem cobradores, aceitando apenas o Bilhete Único. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (29), pelo jornalista Adamo Bazani, do site Diário do Transporte, outras linhas da empresa devem eliminar os cobradores.

São cerca de cinco ônibus que estão circulando sem cobrador e na frente do veículo foi colocado um adesivo informando que o pagamento será feito somente com Bilhete Único. Dentro do veículo, onde ficava o assento do cobrador, foi instalada uma divisória de vidro com balaústres.

O presidente do SPUrbanuss (Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo), Francisco Christovam, disse ao Diário do Transporte, que as operações com esses ônibus da Mobibrasil são apenas testes e não há previsão de quando irão circular definitivamente sem cobradores. “Cada empresa do sistema vai repassar uma relação de linhas à SPTrans para que mais testes desse tipo sejam realizados em todas as áreas operacionais da cidade”, disse Francisco Christovam.

O Sindmotoristas (Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo), disse que não é favorável dessa medida de eliminar os cobradores. O assessor da presidência do sindicato, Romualdo Santos, disse que vai entrar em contato com o poder público contra a medida e lembrou que por decisão judicial os ônibus do subsistema estrutural não podem circular sem cobradores.

A SPTrans informou que autorizou os testes. “A SPTrans autorizou, em caráter experimental, a operação de cinco veículos da viação MobiBrasil na linha 576C/10 Metrô Jabaquara-Terminal Santo Amaro, sem a presença de cobrador, de forma intercalada. Ao todo operam 17 ônibus na linha. Existe um compromisso da empresa com a SPTrans para que não haja demissão de cobradores”, diz a gerenciadora do transporte coletivo na capital paulista, em resposta ao Diário do Transporte.

No início de fevereiro, o prefeito João Doria, havia admitido que os cobradores poderiam ser eliminados dos coletivos, mas não geraria desemprego em massa, seria solicitado para que as empresas fizessem uma capacitação para eles se tornarem motoristas ou serem aproveitados em outras funções nas empresas.

Deixe seu comentário