Metroviários aprovam indicativo de paralisação no dia 25/11

Na quinta-feira (17/11), o Sindicato dos Metroviários aprovou em uma assembleia, o indicativo de paralisação no dia 25/11. Nesta data acontecerá o “Dia Nacional de Mobilizações e Paralisações”, o movimento faz parte de uma série de protestos contra as reformas trabalhistas e previdenciárias propostas pelo governo Michel Temer e devem ocorrer em todo o país.

O sindicato deseja abrir um amplo debate com a categoria sobre a necessidade de participar das lutas junto com o movimento sindical, trabalhadores e estudantes contra as medidas do governo Temer.

A categoria vai se reunir novamente, às 18h30 desta quinta-feira (24/11), na sede do sindicato, no bairro do Tatuapé, para definir se a paralisação ocorrerá de forma parcial ou durante todo o horário de funcionamento do Metrô.

O coordenador-geral do Sindicato dos Metroviários, Alex Fernandes, em entrevista ao portal R7 disse que a ideia inicial discutida pelo sindicato é que os funcionários do Metrô de São Paulo cruzem os braços parcialmente, entre 12h e 14h de sexta-feira (25).

Alex Fernandes, diz que a paralisação será um protesto principalmente contra a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) 55, que limita os gastos públicos pelos próximos 20 anos. “A orientação que temos é que toda a categoria deve aderir. Também estamos buscando o apoio da população porque essas reformas vão interferir na vida de todos”, afirmou o sindicalista.

CPTM

Até a última quarta-feira (23/11), sindicatos que representam funcionários da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) descartavam a participação no movimento. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Sorocabana, responsável pelas linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda da CPTM, eles “não têm reivindicações em comum com os metroviários”.

Sindicato dos Metroviários

Carta aberta à população sendo distribuída nesta quarta-feira (24/11) nas estações do Metrô pelos sindicalistas que vão participar do ato:

Alternativas

O jornal O Diário de São Paulo procurou o Metrô, CPTM e a SPTrans para saber quais serão as alternativas para atender os usuários durante a paralisação.

O Metrô informou que só vai se posicionar após o horário do ato ser oficializado pelos metroviários na assembleia.

A CPTM afirmou que “caso haja a paralisação, adotará no início da operação comercial, medidas para atender o possível aumento da demanda”.

Já a SPTrans, afirmou que pode acionar o Paese (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência) se o Metrô solicitar. Caso isso ocorra, a SPTrans divulgará em seu site o serviço que será prestado.

Atualização

Nesta sexta-feira (25) não haverá greve do Metrô. Todas as linhas irão funcionar normalmente. Leia mais aqui.

* Atualização: 21h13 em 24/11/16

Deixe um comentário