Rede Nossa São Paulo cobra informações de linhas e trajetos em ponto de ônibus

Em carta enviada a Fernando Haddad, assinada por 167 organizações, entidade afirma que medida traria enorme benefício à cidade; organização pede audiência com prefeito

114
Foto: Felipe Rau

A Rede Nossa São Paulo, entidade que reúne 700 organizações da sociedade civil, enviou nesta quinta-feira, 3, uma carta ao prefeito Fernando Haddad em que solicita que sejam fixadas, nos pontos de ônibus da capital, informações sobre quais linhas passam no local e o trajeto percorrido. A instituição pede uma audiência com Fernando Haddad para tratar do assunto.

Segundo a direção da Rede Nossa São Paulo, a carta foi enviada um mês após reunião entre a direção da entidade e o prefeito para tratar do tema. Assinada por 167 organizações, entre associações de moradores, institutos e fundações, a carta reforça a necessidade de uma política “que há tempos deveria ter sido implementada”.

No texto, a Rede solicita que, no menor prazo possível, medidas “simples” como a divulgação das linhas e do trajeto trariam “enorme benefício aos cidadãos” e revelariam “uma demonstração de respeito aos usuários do transporte público”.

“Faltam nos pontos de ônibus informações básicas ao cidadão: quais são as linhas que passam nestes locais e qual o trajeto percorrido. Não é a toa que nas paradas de ônibus de quase todas aos a cidades do mundo – grandes, pequenas e médias – tais informações estão disponíveis aos cidadãos há muitos anos. Certamente o prefeito deve ter constatado está realidade em suas viagens ao exterior”, diz a carta.

“É incrível que São Paulo, uma das maiores cidades do mundo, não tenha estas informações nos pontos de ônibus, obrigando, inclusive, alguns ativistas de boa vontade a grafitar o número das linhas que passam por lá. Esta responsabilidade deveria ser da Prefeitura de São Paulo”, continua a Rede Nossa São Paulo no texto.

A entidade pede que as informações sejam disponibilizadas em formatos acessíveis e inclusivos, com letra ampliada, em relevo ou braile, além de áudio.

* As informações são do jornal O Estado de São Paulo

Deixe seu comentário

comentários

Publicidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here