Incêndio na Estação da Luz afeta transporte de carga para Santos

MRS, que opera o trecho entre o Centro-Oeste e o porto, organiza esquema alternativo para transportar mercadorias

90
transporte de carga
Impedidos de seguir viagem por conta do fechamento da Luz, trens de carga ficam parados na Estação de Jundiaí

O incêndio no Museu da Língua Portuguesa, na Estação da Luz, no Centro de São Paulo, interrompe há oito dias o transporte ferroviário de cargas entre o Porto de Santos e a produção de São Paulo e Estados do Centro-Oeste.

A MRS Logística, empresa de logística que opera o trecho, vem organizando com clientes um esquema alternativo para o escoamento de mercadorias, mas não tem previsão para retomada do serviço.

O bloqueio prejudica principalmente os 200 mil passageiros diários da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos que usam a Estação da Luz.

A MRS Logística não informa o número de viagens que deixaram de ser feitas pelos trens de carga – segundo a CPTM, por dia são feitas, em média, 40 viagens de composições de cargas na rede, no horário entre picos, das 10h às 16h e durante a madrugada. Ao todo, três linhas têm operação compartilhada entre cargas e passageiros.

A MRS Logística transporta o que o setor chama de carga geral: granéis agrícolas respondem pela maior parte do fluxo, mas há também cimento, bauxita, minério de ferro e produtos industrializados, que são transportados em contêineres.

Segundo o gerente-geral de comunicação da MRS Logística, Marcelo Kanhan, a divulgação dos números poderia prejudicar os clientes. “Somos uma prestadora de serviços. Quando falamos de cargas paradas, podemos ter alguma implicação para nossos clientes. Então, por uma questão de sigilo comercial, ficou combinado que não faríamos a divulgação. Os clientes pediram isso. São empresas muito grandes, normalmente com papéis negociados na Bolsa.”

Outro argumento, segundo o porta-voz, é que a natureza da operação dificulta a contagem. “Embora seja um pouco estranho para quem não conhece a operação de perto, a gente não tem uma regularidade absoluta. A programação dos trens é feita mensalmente, mas ela é organizada praticamente em base diária”, afirma.

Mas Kanhan admite o problema. “Existe um impacto. Estamos impedidos de atravessar a região metropolitana. É significativo, mas dá para gerenciar a situação por mais uns dias. O que estamos fazendo é adequando toda a cadeia da produção, desde o carregamento e o envio de novos trens, e escalonando tudo em um passo mais lento, justamente para não criar um gargalo para os trens ali no pátio da entrada da rede da malha da CPTM, em Jundiaí”, informa.

“Os clientes estão todos avisados. Existe essa perspectiva de o fluxo ser retomado na quarta-feira e estamos aguardando. Vamos buscar, depois, algum meio de acelerar um pouco a produção.”

Porto de Santos

Na outra ponta da cadeia de distribuição, o Porto de Santos informou que a paralisação ainda não causa congestionamento de navios.

Segundo a Companhia Docas do Estado de São Paulo, as mercadorias que chegam pela estrada de ferro não vão direto para os navios – ficam nos depósitos do porto. Assim, a previsão é que só ocorra algum tipo de anormalidade caso a paralisação persista por mais dias.

Deixe seu comentário

comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here