Protesto contra fechamento de escolas bloqueia Avenida Morumbi

Em frente ao Palácio dos Bandeirantes, manifestantes também pedem investimentos em moradias populares

146

Uma manifestação em defesa de investimentos em habitação popular e contra o projeto de reorganização das escolas estaduais interditou os dois sentidos da avenida Morumbi, em frente ao Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, na tarde desta terça-feira (10). De acordo com a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), a via, localizada na zona sul, foi fechada pelos manifestantes por volta das 11h45.

O protesto foi organizado pelo Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial no Estado de São Paulo), CMP (Central de Movimentos Populares) e UMM (União dos Movimentos de Moradia), entidades que compõem o Fórum dos Movimentos Sociais do Estado de São Paulo.

Por volta das 15h30, professores e estudantes encerraram a manifestação. Representantes do movimento sem-teto continuavam acampados no local. Segundo eles, a ideia é permanecer até que sejam recebidos por representantes do governo.

Após deixarem a entrada do Palácio, alunos e professores caminharam até uma das bilheterias do Estádio do Morumbi, onde encerraram o ato. Apenas os movimentos por moradia permaneceram em frente à portaria da sede do governo.

Desde o início do mês passado, quando a proposta da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo prevendo o fechamento de estabelecimentos de ensino com pouca demanda e a transferência de alunos foi comunicada para os diretores das unidades, vários protestos foram realizados no Estado.

No dia 26 de outubro, a Secretaria de Educação confirmou que 94 escolas serão fechadas por causa do processo de reorganização da rede estadual, cujo objetivo é segmentar as escolas em três grupos (anos iniciais e finais do ensino fundamental e ensino médio), conforma o ciclo escolar.

A estimativa da secretaria é de que 311 mil alunos tenham de mudar de escola em 2016. De acordo com a secretaria, será respeitado o limite de 1,5 km de distância para o deslocamento dos estudantes.

Sem-teto protestam em frente ao Palácio dos Bandeirantes por moradia (Foto: Will Soares/ G1)

Deixe seu comentário