Horário de rush de bicicletas é igual ao de carros, diz estudo

79

Às vésperas do Dia Mundial Sem Carro – ideia que nasceu na França em 1997 e foi aos poucos adotada por vários países do mundo –, celebrado na próxima terça (22), uma contagem de ciclistas feita pelo Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) apresenta indícios de que a bicicleta está sendo mais usada para transporte do que para lazer.

Ao contar o número de ciclistas que percorriam oito ruas e avenidas de São Paulo, ao longo de nove dias de agosto, sempre das 6h às 20h, o levantamento aponta que, na maior parte dos casos, há dois picos de uso: na manhã, das 8h às 10h, e no fim do dia, das 17h às 20h. Os horários coincidem com o pico do trânsito de veículos motorizados na cidade.

O sentido dos fluxos de bicicletas também é igual ao do tráfego de carros e motos: na manhã, do bairro para o centro, e no fim do dia, do centro para o bairro.

O estudo aponta que os locais com estrutura para os ciclistas dão vazão à demanda e têm uso mais intenso.

Na Avenida Faria Lima, cuja ciclovia está em operação desde 2012, circulam, em média, 1.852 ciclistas por dia ou 132 por hora. Na Paulista, são, em média, 1.690 por dia, ou 120 por hora. No horário de pico, são, em média, 197 por hora.

Já na Rua da Consolação, que ainda não tem infraestrutura cicloviária, foram contados, em média, apenas 243 por dia ou 17 por hora.

Fora deste padrão está a ciclovia da Radial Leste, onde foram contados, em média, somente 382 ciclistas por dia ou 27 por hora.

* Com informações do jornal Folha de São Paulo

Deixe seu comentário

comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here