ViaMobilidade moderniza sistema de sinalização das linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda 

A ViaMobilidade está realizando investimentos significativos na modernização do sistema de sinalização das Linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda. Esses trabalhos envolvem a substituição de equipamentos analógicos por digitais e a implementação de novos sistemas, com o objetivo de proporcionar maior estabilidade operacional, conforto e regularidade nas viagens para os passageiros.

As mudanças incluem a introdução de um novo sistema de supervisão e controle de tráfego (ATS – Automatic Train Supervision) para a Linha 8 e a implementação de um sistema ATO (Automatic Train Operation) de via no trecho de Júlio Prestes a Itapevi. A previsão é concluir esses trabalhos até 2024.

O ATS traz benefícios significativos, como uma melhoria nos índices de disponibilidade do sistema, resultando em uma operação mais estável e regular para os passageiros. Por outro lado, a implementação do ATO de via na Linha 8 oferece controle automatizado de aceleração e frenagem, parada automática nas estações e supervisão das portas dos trens, contribuindo para viagens mais rápidas e eficientes.

É importante destacar que essas funções avançadas não substituem completamente a ação humana, e a condução do trem por um operador ainda é necessária. No entanto, o novo sistema possibilita paradas mais suaves e uma melhor regulação dos intervalos de forma automática, proporcionando maior regularidade no atendimento aos passageiros.

O ATS, por sua vez, é um sistema de supervisão e controle dos trens pelo Centro de Controle Operacional (CCO), podendo operar automaticamente com rotas pré-definidas ou por meio da operação dos controladores. Essa inovação visa otimizar o controle do tráfego de trens para garantir uma operação eficiente e segura.

Troca do analógico pelo digital 

Entre as atividades previstas está a implantação de novos intertravamentos microprocessados para o trecho de Imperatriz Leopoldina a Osasco, da Linha 8, e de Presidente Altino a Osasco, da Linha 9. A modernização desses sistemas está prevista para ser concluída ainda neste ano.

Na prática, os intertravamentos microprocessados são conjuntos de placas eletrônicas que, por meio de programas armazenados em suas memórias, garantem a operação do sistema. Esses equipamentos recebem comandos do Centro de Controle Operacional, que chegam em servidores locais compostos por computadores industriais de alta confiabilidade. Eles interagem com equipamentos na via, como máquinas de chave e sinaleiros, contribuindo para a segurança dos passageiros.

Essa modernização é necessária porque os sistemas existentes em Osasco, Presidente Altino e Imperatriz Leopoldina foram desenvolvidos no final da década de 1970, operando com placas eletrônicas analógicas que acionam relés eletromecânicos. A mudança para a nova tecnologia proporcionará uma resposta mais rápida, redundâncias para casos de falhas e uma operação mais estável.

Além disso, a modernização facilitará a manutenção, pois requer menos equipamentos, e proporcionará uma monitorização mais eficaz, permitindo uma atuação rápida em casos de falhas, com redução de impactos aos passageiros. O projeto inclui o fornecimento de servidores, estações de trabalho para o Centro de Controle Operacional, substituição de sinaleiros e circuitos de via, além do lançamento de cabos novos em trechos específicos das linhas.