Quais são os principais indicadores de desempenho logístico?

Os indicadores de desempenho logístico são ferramentas de acompanhamento de resultados muito importantes para qualquer gestor da área. Afinal, eles permitem ter uma visão completa e realista das métricas de uma empresa, facilitando a análise do que está andando bem, do que precisa ser melhorado e onde agir.

Eles também podem ser chamados de key performance indicators (KPIs) ou indicadores chave de desempenho. O nome exato fica a critério de quem os utiliza. O importante, todavia, é saber o que eles são, qual sua importância e, especialmente, quais são os principais indicadores utilizados em cada etapa de processo logístico – afinal, são muitos -, como o desempenho da cadeia de suprimentos, por exemplo. Continue a leitura para ficar por dentro de tudo isso.

O que são os indicadores de desempenho logístico?

O objetivo de toda empresa do setor logístico é realizar sua atividade com eficiência máxima. Em outras palavras, ter todas as etapas de sua cadeia logística funcionando em sincronia, com as devidas práticas e obtendo os resultados esperados.

Para atingir esse status, no entanto, é preciso realizar um constante monitoramento de todas as atividades realizadas para entender como andam cada uma delas. É justamente na hora de realizar este monitoramento que entram em cena os indicadores de desempenho logístico.

São eles os responsáveis por permitir uma análise quantitativa, por meio de dados estruturados e objetivos, sobre o andamento de uma empresa de logística. Eles são capazes, quando escolhidos e aplicados de maneira correta, de apresentar os pontos fortes e fracos do processo de armazenamento, distribuição e entrega, mostrando o que realmente precisa ser melhorado.

Por que os indicadores são tão importantes?

Nenhum plano de ação em busca de melhorias, correção de erros e mesmo gestão de crises é possível de ser realizado sem dados quantitativos em mãos. Desta forma, apesar de não ser uma prática adotada por todas as empresas do setor, o fato é que os indicadores logísticos são fundamentais para uma gestão assertiva e que busca sempre os melhores números e resultados.

Quais são os principais indicadores-chave de desempenho logístico?

Como já adiantamos, são muitos os indicadores de desempenho possíveis de serem utilizados na logística. Por isso mesmo, conhecer as principais opções é fundamental antes de realizar a implementação dos mesmos em uma empresa do ramo.

É importante escolhê-los com critério, para que, desta forma, seja possível abranger todas as áreas de sua atividade, obtendo os dados necessários para monitorá-las com excelência. Agora, sem delongas, vamos aos indicadores.

1. Análise de custos com transporte e armazenamento

Como em qualquer tipo de negócio, reduzir despesas sem perder qualidade é um objetivo primordial. As métricas de análise sobre os custos de transporte e armazenagem ajudam nesta tarefa, já que analisam todas as despesas envolvidas do momento do pedido até sua entrega, dividindo, assim, o custo do transporte por cada etapa: do processamento do pedido aos custos finais de transportar o produto até seu cliente.

Com os resultados obtidos, é possível avaliar a porcentagem de gasto em cada etapa da cadeia logística. O custo de armazenagem, especificamente, refere-se às despesas empregadas para guardar seus produtos em estoque próprio ou movê-los para fora dele, seja para entrega ou para armazéns terceiros. Os custos se distribuem por fatores como equipamentos, mão de obra, gastos com o depósito e veículos.

2. Order Cycle Time (OCT)

Order Cycle Time, também conhecido pela sua sigla OCT, é a métrica que avalia o tempo demandado para processar um pedido, desde sua recepção até a expedição. Portanto, com o indicador OCT, é possível analisar a eficiência dos processos relacionados ao atendimento ao cliente, bem como entender possíveis fatores capazes de afetá-la, como estoque e capacidade de produção.

O cálculo é feito de forma bastante simples:

  • OCT= data e hora da expedição – data e hora da recepção do pedido.

Quanto menor o tempo, mais rápido é a entrega de seu produto nas mãos do cliente.

3. On-Time e In-Full (OTIF)

O On-Time e In-Full na logística, também chamado apenas de OTIF, é um dos indicadores mais importantes para qualquer gestor. Com ele, é possível mensurar a dedicação e produtividade da empresa. Para tanto, esse indicador se ampara em diferentes pontos, como entregas realizadas com pontualidade, eficiência do atendimento ao cliente e entrega sem danos aos produtos.

4. On-Time Delivery (OTD)

O OTD é a métrica utilizada para analisar o percentual de pedidos entregues dentro do prazo estabelecido previamente com seus clientes. Ele oferece a possibilidade de avaliar a confiabilidade de seu negócio na hora de realizar entregas, e seu resultado depende de fatores como a escolha das rotas, condições dos veículos e do trânsito, e até mesmo imprevistos.

Calcular o On-Time Delivery é bastante simples. Basta seguir a fórmula abaixo:

OTD = (número de pedidos entregues no prazo / número total de pedidos) x 100.

5. Nível médio de estoque

Indicador fundamental para avaliar a quantidade média de mercadorias armazenadas em um depósito por um determinado período. Essa métrica analisa o equilíbrio entre oferta e demanda, ajudando a ter um estoque equilibrado, sem faltas ou excessos.

A fórmula para calcular o nível médio de estoque é:

Nível médio de estoque = (estoque inicial + estoque final) / 2.

6. Perfect order rate (POR)

Perfect order rate é o indicador de desempenho logístico capaz de analisar a eficiência e as falhas em uma cadeia de suprimentos. Para tanto, são levados em consideração aspectos como quantidade de pedidos recebidos, processados, despachados e entregues sem nenhum incidente ou imprevisto.

7. Índice de notas de transporte com erro

Indicador utilizado para medir a quantidade de informações registradas com erros nas notas de transportes, com oCT-e e NFS-e. Além disso, também mede a qualidade das informações fiscais nas notas, permitindo observar a clareza dos dados necessários para a boa logística. Esse indicador é fundamental para evitar problemas fiscais, refações e até mesmo multas.

O indicador também conta com uma fórmula:

Porcentagem de notas de transporte com erro = (número de notas com erro / número total de notas emitidas) x 100.

O ideal é que a porcentagem final do cálculo seja o mais próximo possível de zero.