Não haverá greve no Metrô de São Paulo na próxima semana

Os metroviários descartaram uma nova greve no Metrô de São Paulo na próxima semana.

Em assembleia que durou cerca de 24 horas a categoria decidiu não cruzar os braços e trabalhar normalmente.

A discussão sobre a possibilidade de uma nova greve foi convocada após a o Metrô anunciar a demissão de cinco operadores de trens por causa da paralisação surpresa de metroviários do último dia 12.

Como mostrou o Mobilidade Sampa, o Metrô de São Paulo demitiu cinco funcionários envolvidos na paralisação surpresa do último dia 12 de outubro.

Cinco funcionários foram demitidos, um foi suspenso por 29 dias e outros três, que contam com estabilidade sindical, suspensos sem remuneração para serem submetidos a inquérito perante o Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que irá apurar a ocorrência de falta grave e decidir pela consequente demissão. 

Ao todo, 59,4% das pessoas (1.630 metroviários) que votaram foram contra a greve no próximo dia 31. Votaram favoráveis 37,2% (1.021 trabalhadores) e houve 93 abstenções (3,4%).

A presidente do Sindicato dos Metroviários, Camila Lisboa, lembrou que foi demitida em 2014 junto com cerca de 40 funcionários, após a maior greve dos últimos dez anos —a paralisação daquele ano durou cinco dias.

“Talvez tenham sido os quatro anos mais difíceis das nossas vidas [período que duraram as demissões], mas posso garantir a vocês que, com coletividade, com solidariedade, dando as mãos, a gente consegue enfrentar esse momento”, disse ela.

O Metrô de São Paulo não descarta nova punições e/ou demissões.