Pesquisa inédita revela perfil das empresas do transporte rodoviário urbano brasileiro

O transporte rodoviário coletivo urbano é o principal responsável pelo deslocamento de passageiros no país. O setor conta com 1.577 empresas de ônibus urbanos em operação no Brasil e, aproximadamente, 107 mil ônibus.

Responsável pela geração de cerca de 315 mil empregos diretos, o setor enfrenta uma forte crise iniciada há quase três décadas e para retratar tanto a dimensão e a essencialidade do serviço prestado quanto os desafios que o atingem, a Confederação Nacional do Transporte lança, nesta terça-feira (08/08), a Pesquisa CNT Perfil Empresarial 2023 – Transporte Rodoviário Urbano de Passageiros.

O estudo inédito – que contou com o apoio da NTU (Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos) – detalha de forma minuciosa as características das empresas em aspectos como frota, operação, mão de obra e investimentos. Apresenta ainda questões relacionadas às gestões ambientais e de riscos e formas de pagamento, bem como os impasses relacionados à política tarifária vigente. A visão das empresas e os principais desafios do setor fecham o escopo da sondagem. As informações foram fornecidas por empresários do segmento no primeiro semestre deste ano, com a realidade do transporte rodoviário urbano de passageiros de todas as regiões do Brasil.

Os resultados revelam que as empresas de grande porte, ou seja, com mais de cem funcionários, são maioria no segmento, e representam 82,2% do total. Também são majoritárias as que têm mais de 20 anos de atuação no mercado, 84,5%. A origem familiar do negócio é a motivação para operar no ramo para pouco mais da metade das empresas (59,8%).

Cerca de 2/3 da amostra (69,0%) atua exclusivamente no segmento rodoviário urbano de passageiros. Outros 19% dos entrevistados pela CNT atuam em outra modalidade e passaram, posteriormente, a trabalhar com o transporte rodoviário urbano de passageiros.

Entre os desafios apontados, a questão do custeio da atividade ganha destaque: 36,2% das empresas têm a tarifa paga pelo usuário como a principal remuneração, e 51,1% carecem de qualquer subsídio público. Chama atenção também a questão da violência, que tem afetado a maioria das operadoras do setor: 59,2% foram vítimas de assalto e 40,2% sofreram ato de depredação no último ano, sendo que uma em cada cinco (20,1%) tiveram veículos incendiados no período.

Os dados contribuem para dar visibilidade à importância do transporte rodoviário urbano de passageiros. Servem também para auxiliar os transportadores nas tomadas de decisão e nos seus planejamentos de longo prazo, bem como a definição de suas estratégias comerciais.

Para governos locais, a pesquisa ajuda a definir a priorização de investimentos no setor e, consequentemente, a alocação de esforços. Os dados apresentados também podem apoiar na elaboração de planos e políticas de mobilidade urbana que atendam as reais necessidades da sociedade e do setor, impactando-os de forma assertiva.

DESTAQUES DA PESQUISA

Tarifa

  • 36,2% têm a tarifa paga pelo passageiro como a única forma de remuneração definida em contrato
  • 51,1% não recebem qualquer subsídio do governo
  • 56,9% consideram a dificuldade em reajustar o valor das tarifas como principal problema
  • 18,5% dos passageiros recebem algum tipo de benefício tarifário

Pagamento

  • 91,4% utilizam o sistema de bilhetagem eletrônica
  • 75,8% implementaram pagamento com cartão de transporte como forma de substituição ao cobrador
  • 90,2% têm pelo menos uma linha da frota operando sem a função de cobrador

Sustentabilidade

  • 74,7% monitoram o uso de combustível
  • 74,1% acompanham a geração de resíduos

Violência

  • 59,2% foram vítimas de assalto no último ano
  • 40,2% sofreram ato de depredação no último ano
  • 20,1% tiveram veículos incendiados no último ano

Custos

  • 74,1% consideram preço do diesel a principal dificuldade enfrentada
  • 72,4% indicaram a manutenção do veículo como o fator que mais sobrecarrega os custos das empresas