Linha 15-Prata do monotrilho não vai operar nesta segunda-feira, dia 2

292
Linha 15-Prata Cidade Tiradentes Monotrilho
Foto: Governo do Estado de São Paulo

Nesta segunda-feira, dia 2 de março de 2020, a Linha 15-Prata do monotrilho continuará inteiramente fechada (leia mais abaixo sobre o motivo), durante todo o dia, de São Mateus à Vila Prudente.

Para atender os passageiros durante a interdição, serão disponibilizados ônibus gratuitos da operação Paese (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência). Segundo a SPTrans, a linha especial São Mateus – Estação Vila Prudente vai operar com 50 veículos (confira no fim deste post o itinerário completo da linha).

“A SPTrans informa que o Plano de Atendimento entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência (Paese) foi solicitado pelo Metrô para esta segunda-feira, 2 de março, entre as estações São Mateus e Vila Prudente, das 4h20 até o final da operação. Para garantir o deslocamento dos usuários será implantada a linha especial Estação São Mateus – Estação Vila Prudente que irá operar com 50 veículos, conforme pedido do Metrô que poderá solicitar a inclusão ou retirada dos ônibus em operação a qualquer momento”, informou a SPTrans.

O Metrô e a Bombardier informaram por meio de notas ao Diário do Transporte que na quinta-feira, dia 27 de fevereiro, houve o rompimento de um pneu de um dos trens da Linha 15-Prata. Neste fim de semana, durante testes realizados na linha, constatou-se “a incidência de danos em outros pneus dos trens do monotrilho”.

O Metrô informou que dispositivos que ficam dentro dos pneus chamados de “Run Flat” causaram os danos. A Bombardier disse que “por excesso de cautela” recomendou ao Metrô que retirasse as 23 composições de operação para que equipes inspecionassem os trens.

A Bombardier informou que quer devolver os trens para operação o mais rápido possível, mas não informou um prazo para a operação do monotrilho ser retomada. O Metrô informou que está cobrando da Bombardier e do Consórcio CEML (que construiu as vias) providências urgentes para identificar a causa da ocorrência, a sua imediata correção e que arquem com os prejuízos decorrentes da interrupção do serviço.

Confira abaixo as notas na íntegra:

Metrô:

“Na última quinta-feira (27) um único pneu de um jogo de pneus do trem do monotrilho da Linha 15-Prata se rompeu e o mesmo foi recolhido imediatamente para a manutenção. Ao longo dos testes realizados na linha neste fim de semana, o Metrô constatou a incidência de danos em outros pneus dos trens do monotrilho.

A fabricante Bombardier foi acionada imediatamente e verificou que os dispositivos chamados ‘Run Flat’ estão causando essa alteração. Esses dispositivos ficam nas rodas e garantem a movimentação do trem em casos de anormalidades, como pneus furados ou murchos.

Para evitar que falhas como esta causem problemas que comprometam o funcionamento normal da linha e em medida de precaução para os cidadãos, a operação da Linha 15-Prata continuará paralisada nesta segunda-feira (2).

O Metrô está cobrando da Bombardier e do Consórcio CEML – que construiu a via – providências urgentes para a identificação da causa da ocorrência, a sua correção e que eles arquem com todos os prejuízos decorrentes desta paralisação junto ao Metrô de São Paulo.

Toda a frota, vias e sistemas passarão por rigorosa inspeção nos próximos dias, com acompanhamento dos funcionários do Metrô, para uma imediata solução que permita a retomada da operação.

O Metrô lamenta o transtorno causado e para minimizá-lo está disponibilizando gratuitamente ônibus do sistema Paese, que durante o período de interdição, vão realizar o trajeto entre as estações São Mateus e Vila Prudente, das 4h40 à 0h.”

Bombardier:

“A Bombardier informa que na quinta-feira (27), um pneu de um dos seus trens se rompeu durante a operação no monotrilho de São Paulo.

Devido ao ocorrido, foram adotadas algumas medidas preventivas, conforme já planejado e previsto para essas situações no sistema Monotrilho: uma redução de velocidade foi imposta e o trem impactado foi retido quando chegou à próxima estação.

Por excesso de cautela, recomendamos que o Metrô de São Paulo removesse a frota de 23 trens de serviço para que nossa equipe de especialistas do Canadá, pudesse realizar as inspeções necessárias.

Juntamente com nossos fornecedores de rodas e pneus, estamos trabalhando 24 horas por dia para inspecionar os trens, determinar a causa do incidente, desenvolver uma solução e apresentar medidas corretivas ao Metrô de São Paulo.

Entendemos o impacto que isso terá na comunidade de São Paulo e pedimos desculpas pelo inconveniente necessário. Agradecemos sua compreensão e cooperação, pois nossas equipes trabalham dia e noite para corrigir a situação em tempo hábil.

Embora nosso objetivo seja devolver os trens aptos para operação o mais rápido possível, a segurança é nossa prioridade número um.

Gostaríamos de tranquilizar os passageiros de que os trens do monotrilho do Metrô de São Paulo têm transportado passageiros com segurança e confiabilidade desde que o sistema foi inaugurado em 2014.”

Pneus

Durante todo sábado e domingo, dias 29 de fevereiro e 1º de março, conforme o Diário do Transporte já havia antecipado, a Linha 15-Prata não funcionou, para verificação dos motivos, de ao menos cinco pneus do trem M20 terem estourados, por volta das 6h40 de quinta-feira, dia 27 de fevereiro, quando saía da estação Jardim Planalto, diferentemente do que o Metrô informou oficialmente, que seriam feitos testes no sistema de controle dos trens.

A informação do estouro dos pneus chegou ao Sindicato dos Metroviários, por meio de funcionários do Metrô.

O coordenador geral do Sindicato dos Metroviários, Wagner Fajardo, disse ao Diário do Transporte, que no sábado, dia 29 de fevereiro, técnicos verificariam se haveria risco de mais pneus estourarem.

“A informação que nós temos é que vai ser feita a verificação de todos os pneus para ver se não tem risco de mais pneus estourarem e também descobrir os motivos pelos quais estes cinco estouraram”, disse.

No Twitter, um passageiro relatou que o pneu de um dos trens havia se soltado na quinta-feira pela manhã, em horário semelhante às informações recebidas pelo Sindicato dos Metroviários.

O Metrô respondeu ao passageiro que o trem teve um problema de tração, seguiu viagem até a estação Sapopemba, no sentido de São Mateus, onde foi esvaziado.

No sentido de São Mateus, a estação Sapopemba fica após a estação Jardim Planalto. O relato foi sobre a mesma faixa horária, mesmo trecho e mesmo sentido, que teria ocorrido o estouro dos cinco pneus do trem M20, conforme informação recebida pelo sindicato.

Colisão

Wagner Fajardo ainda disse que na sexta-feira, dia 28 de fevereiro, dois trens quase bateram, uma composição que saia do Pátio Oratório entrou em rota de colisão com outro trem que deixava a estação Oratório no período da manhã.

“Ainda não tem todos os dados da investigação, mas a informação que nós recebemos também é que só não teve a colisão porque a operadora percebeu o fato e aplicou a emergência no trem evitando o choque, porque os dois trens estavam em rota de colisão”, disse Wagner Fajardo.

Interrupção

Na sexta-feira, dia 28 de fevereiro, foi muito estranho o Metrô ter comunicado somente por volta das 21h20 que a operação da Linha 15-Prata seria suspensa tanto no sábado, quanto no domingo, de forma integral, já se deduzia que poderia ter ocorrido algum problema grave.

Já que quando a linha vai sofrer alguma interrupção aos finais de semana, a Companhia sempre avisa com antecedência de ao menos um dia.

Tanto que na sexta-feira, no período da manhã, a Companhia havia informado em suas redes sociais que a Linha 15-Prata teria somente o trecho interrompido entre as estações Jardim Planalto e São Mateus, somente no domingo, dia 1º de março, mas acabou fechando totalmente.

Itinerário da linha especial São Mateus – Estação Vila Prudente

Confira abaixo o itinerário da linha especial São Mateus – Estação Vila Prudente, ou seja, que vai operar de São Mateus à Vila Prudente:

Ida: Estação São Mateus, Avenida Sapopemba, Estação Fazenda da Juta, Avenida Sapopemba, Estação Sapopemba, Avenida Sapopemba, Estação Jardim Planalto, Avenida Sapopemba, Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, Estação Vila União, Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, Estação Vila Tolstói, Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, Estação Camilo Haddad, Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, Estação São Lucas, Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, Estação Oratório, Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, Complexo Viário Senador Antônio Ermínio de Barros Filho, Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello e Estação Vila Prudente.

Volta: Estação Vila Prudente, Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, Rua Ibitirama, Rua Cavour, Rua Itamumbuca, acesso à Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, Estação Oratório, Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, Estação São Lucas, Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, Estação Camilo Haddad, Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, Estação Vila Tolstói, Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, Estação Vila União, Avenida Professor Luiz Ignácio de Anhaia Mello, Avenida Sapopemba, Estação Jardim Planalto, Avenida Sapopemba, Estação Sapopemba, Avenida Sapopemba, Estação Fazenda da Juta, Avenida Sapopemba e Estação São Mateus.

Deixe seu comentário