Queixas por atraso de ônibus crescem 28% em São Paulo em 2016

127
Ônibus municipais atendimento
Foto: Divulgação

O número de reclamações por causa dos atrasos nos horários programados dos ônibus em São Paulo cresceu 28,19% no primeiro semestre de 2016 em relação a semelhante período de 2015.

Os dados são da própria SPTrans, gerenciadora do sistema, e foram obtidos pelo jornal Bom Dia São Paulo, da TV Globo, por meio da Lei de Acesso à Informação. Nesse primeiro semestre foram 1.778 reclamações.

É na parte da manhã que ocorre a maior parte dos descumprimentos de horários. Ainda de acordo com o levantamento, entre 5h e 8h são registradas mais de 30% das reclamações, sendo que entre 5h e 6h – 10,04%, 6h e 7h – 10,6% e 7h e 8h – 10,02%.

A linha com maior número de reclamações é a 848L-10 (Recanto dos Humildes – Pirituba), gerenciada pela Spencer Transportes. No primeiro semestre deste ano foram 19 queixas, aumento de 280% em relação às 5 reclamações registradas no ano passado.

Ainda de acordo com este ranking, as empresas com maior número de reclamações por atrasos são:

Sambaíba: 189

Santa Brígida: 182

VIP: 162

– Via Sul: 136

Transwolff: 128

O SPUrbanuss (Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo) informou à TV Globo que o número não pode ser considerado excessivo, já que no ano passado foram transportados no geral, 1,5 bilhão de passageiros (registros de passagens).

Já a Transwolff, que surgiu da cooperativa Cooper Pam, e é do sistema local, diz que preza pela qualidade e que foi reconhecida como uma das melhores empresas da capital. A companhia atribuiu o resultado a uma falha no sistema da SPTrans e afirmou que cumpre os horários.

A SPTrans, por sua vez, informou que implantou um conceito Gestão Operacional pela Qualidade que adota medidas preventivas e corretivas de problemas e que disponibiliza uma um total de 690 técnicos na área de fiscalização para melhor cumprimento dos serviços.

* Texto originalmente reproduzido no blog Diário do Transporte

* Com informações do portal G1

Deixe seu comentário