PUBLICIDADE

Crise econômica é vista como oportunidade

Autoridades e lideranças do setor mostram otimismo e buscam saídas para avançar e investir no transporte público sobre trilhos.

Foto: AEAMESP

Os discursos da cerimônia de abertura da 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária às 14h de ontem (13/9) feitos por autoridades e representantes das entidades ligadas ao setor metroferroviário destacaram a crise política e econômica como sendo uma oportunidade para avanços e busca de recursos em respeito ao lema Investir e Avançar com Eficiência, do congresso.

Emiliano Stanislau Affonso Neto, presidente da Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô (AEAMESP), disse que o Congresso anual da entidade será um dos primeiros a avaliar as perspectivas da mobilidade urbana diante da nova realidade político-institucional resultante da crise político-jurídica. Os debates terão participação de dezenas de especialistas do Brasil e do exterior além de autoridades responsáveis por políticas públicas que debaterão a integração física e tarifária, o equilíbrio dos sistemas, a gestão das regiões metropolitanas e o papel do transporte ferroviário das metrópoles. Entre os aspectos mais relevantes da crise, Emiliano Stanislau Affonso Neto destacou as consequências da retração econômica e a queda de arrecadação nos três níveis de governo sobre os projetos estruturadores do transporte público urbano, em especial, aqueles sobre trilhos.

José Antônio Fernandes Martins, presidente do Sindicato Interestadual da Indústrias de Material e Equipamentos Ferroviário e Rodoviários (Simefre) contou aos congressistas sobre o encontro que manteve, na segunda-feira (12/09) com o ministro da Casa Civil do governo Temer, Eliseu Padilha, do qual saiu muito entusiasmado. Eliseu Padilha lhe assegurou que a aprovação do teto para as despesas do governo com reajustes anuais pela inflação e a da reforma da Previdência Social possibilitarão em quatro anos colocar a máquina do Brasil a girar em direção ao crescimento econômico. “Saí esperançoso e confiante, com o novo governo, que é sério, correto, porque montou a melhor equipe econômica que o Brasil já teve, com nomes certos no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, na Petrobras, no Banco do Brasil e na Caixa.” Ele citou os efeitos da crise econômica no setor automotivo ao qual pertence (implementos rodoviários e ônibus). No período janeiro-julho deste ano a queda nas vendas foi de 28%, comparadas com igual período de 2015. “Se compararmos com 2014, a redução chega a 57%”, reforçou.

Ele criticou as taxas de juros praticadas pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social para financiamento dos ônibus que variam de 17 a 18%, sendo que não há atividade alguma que tenha esse retorno

Clodoaldo Pellissioni, secretário de Estado dos Transportes Metropolitanos de São Paulo citou a crise econômica como responsável pelas dificuldades na sua área. Só em 2016, o Estado deixará de arrecadar R$10 bilhões; o Metrô e a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) registraram queda de 300 mil passageiros cada um. Por isso, o governo reuniu o comitê de gastos e o Metrô iniciou um programa de Demissão Voluntária para reduzir custos.

Mesmo assim, Clodoaldo Pellissioni afirmou que o Estado está investindo R$ 30 bilhões em oito grandes obras. Em 2015 os investimentos foram de R$ 4,8 bilhões. São 50 novas estações, 45 novos trens, afora a modernização de outros trens. Ele disse também que a Linha 6-Laranja está parada, apesar de ter 14 frentes de trabalho, por falta de liberação de recursos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.

O Metrô de São Paulo, segundo seu presidente Paulo Menezes Figueiredo, quer oferecer um serviço cada vez melhor para seus clientes, por isso tem investido R$ 2 bilhões por ano em média, com recursos do Estado, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social e Banco Mundial para continuar sendo o sistema de melhor avaliação de São Paulo.

Luiz Valença, presidente da CCR Metrô da Bahia, destacou as obras que vem fazendo em Salvador: em oito meses colocou a funcionar a linha 1 do metrô que havia ficado 15 anos parada. São 12 quilômetros e 12 estações. As obras da linha 2 com 22 km e 12 estações, iniciada em fevereiro de 2015, já tem 60% construída e deve funcionar a partir de agosto de 2017. O metrô de Salvador é o segundo concedido à iniciativa privada. O primeiro foi há 10 anos, em São Paulo, a Linha 4-Amarela, para o mesmo grupo econômico.

A CPTM vai promover aos participantes do congresso da AEAMESP uma visita à Linha 13-Jade de trem, que vai ligar a Estação Engenheiro Goulart ao Aeroporto de Guarulhos e que deve começar a operar em 2018. O presidente da empresa, Paulo Magalhães, disse que a linha já é uma realidade.

A cerimônia de abertura foi encerrada com o discurso da vice-governadora do Paraná Cida Borghetti, que anunciou três obras ferroviárias pelo governo estadual: o chamado trem “pé vermelho”, uma linha intermunicipal de 120 km que vai interligar as cidades do norte do Estado: Maringá, Londrina e Apucarana; outra deverá ser o corredor de exportação para o Porto de Paranaguá e uma linha suburbana que vai interligar a capital e região metropolitana.

A vice-governadora, que já foi deputada federal, surpreendeu os congressistas ao oferecer ao presidente da AEAMESP, uma camiseta cor-de-rosa com o símbolo de uma campanha de prevenção ao câncer de mama no Paraná. Cida Borghetti disse que foi autora de um projeto de lei que criou o dia nacional de prevenção ao câncer de mama

Sobre a Semana

Na sua 22ª edição, a Semana de Tecnologia Metroferroviária, realizada pela Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô (AEAMESP) acontece até 16 de setembro de 2016, no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo. Trata-se do mais importante Congresso Técnico do setor de transporte metroferroviário da América Latina. Durante os quatro dias, técnicos das operadoras, dirigentes empresariais e profissionais do setor debaterão questões importantes relacionadas à mobilidade urbana nas cidades e transporte sobre trilhos no País.

Sobre a METROFERR EXPO 2016

Realizada paralelamente ao Congresso, a METROFERR EXPO reúne empresas fabricantes de equipamentos metroferroviários, fornecedores de peças e serviços, mídias especializadas, que divulgam suas inovações oferecidas ao mercado.

Confira a programação no http://www.aeamesp.org.br/22semana/programa-preliminar

MOBILIDADE SAMPA

Siga o Mobilidade Sampa nas redes sociais e fique informado sobre a mobilidade urbana de São Paulo e Região Metropolitana:

  • Twitter
  • Instagram
  • Telegram
  • Facebook
  • YouTube
  • LinkedIn
  • SEM COMENTÁRIOS

    ESCREVA SEU COMENTÁRIO

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Sair da versão mobile