Aeroporto de Congonhas terá terminal ampliado e novo estacionamento

Uma concorrência pública a ser aberta no segundo semestre pela Infraero prevê reformar e ampliar o aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, é o terceiro mais movimentado do país. As obras, segundo a previsão, seriam concluídas até 2018 ou 2019.

A principal intervenção será o aumento do terminal, dos atuais 64,5 mil m² para 100,8 mil m², o que ampliará em 46% a capacidade de abrigar passageiros – de 17,1 milhões para 25 milhões anuais.

A medida, quando concluída, jogará pressão para aumentar os voos no aeroporto.

Haverá, ainda, dez novas pontes de embarque; hoje são 12. As pontes ligam o terminal aos aviões e reduzem o inconveniente dos passageiros.

Atualmente, boa parte das aeronaves no aeroporto de Congonhas estaciona em posições chamadas de “remotas” – nas quais o avião fica parado em pátio afastado do terminal ao lado da pista, e ônibus são usados para embarque e desembarque das pessoas.

Outra medida prevista é a exploração de duas áreas ociosas do aeroporto, hoje usadas como estacionamento de táxis. Em uma delas, seria construído um novo edifício-garagem com ao menos 3.000 vagas. O atual espaço tem 2.554 vagas.

Ao lado, estão reservados 10,7 mil m² para um empreendimento comercial – um hotel, um centro empresarial ou shopping; a decisão ficará a cargo do vencedor dessa concorrência pública.

A ampliação do aeroporto de Congonhas mais recente foi feita em 2006.

SOLUÇÃO

Em situação financeira crítica desde que o governo federal concedeu os aeroportos mais lucrativos do país à iniciativa privada, a Infraero não tem condição de bancar as obras – no ano passado, por exemplo, o prejuízo da estatal foi de R$ 3 bilhões.

Agora, a empresa pretende obter o dinheiro para a reformulação do aeroporto de Congonhas concedendo à iniciativa privada apenas a área comercial do aeroporto, mesmo modelo que pretende adotar no aeroporto de Santos Dumont, do Rio.

A vencedora, assim, ficaria com as receitas comerciais por 25 anos e, em troca, faria as obras no local.

A partir da assinatura do contrato, a empresa terá um ano para obter as licenças da obra e outro para executá-la – como, segundo a Infraero, a concorrência pública deve ser lançada em julho ou agosto, a conclusão ficaria para daqui pouco mais de dois anos.

A empresa espera arrecadar R$ 3,5 bilhões durante esse período com parte do lucro obtido pelo futuro administrador, segundo André Luís Marques de Barros, diretor comercial da Infraero.

A previsão é elevar as receitas comerciais da empresa, na comparação com as atuais, em 50% a 70%.

Em cenário de recessão, a empresa aposta que conseguirá atrair investidores pela importância do aeroporto de Congonhas – principal aeroporto executivo do país, abriga a ponte aérea para o aeroporto de Santos Dumont, a rota mais movimentada do Brasil.

Em apresentações prévias a potenciais interessados, o projeto foi bem recebido, disse o diretor da Infraero.

INTERESSADOS

Segundo a estatal, entre os interessados estão administradores de shopping center, concessionários de aeroportos e fundos de investimento. Empreiteiras poderão participar desde que comprovem experiência com gestão de áreas brutas locáveis – como centros comerciais.

Deixe um comentário