Prefeitura de São Paulo pode cobrar de moto estacionada em Zona Azul

A gestão Fernando Haddad estuda cobrar de motocicletas pelo estacionamento nas 20 mil vagas exclusivas para esse meio de transporte em áreas de Zona Azul, que atualmente são grátis.

O pagamento para motos é uma das diretrizes de um projeto de mudanças no sistema, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Transportes e pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego).

O projeto prevê a extinção dos talões de Zona Azul e sua substituição por um modelo de cobrança eletrônica, em que o pagamento será feito por meio de um aplicativo de celular. A prefeitura pretende lançar o edital para o desenvolvimento do sistema no final de fevereiro.

A cobrança para motocicletas em vagas de estacionamento rotativo tem sido aplicada nos últimos anos em cidades do interior paulista como Araçatuba, Taubaté e Ibiúna, e em outros Estados, como Juiz de Fora (MG), Londrina e Ponta Grossa (PR). Geralmente, cobra-se metade do valor definido para carros.

NOVO SISTEMA

Segundo o secretário de Transportes, Jilmar Tatto, o novo sistema, via aplicativo, permite evitar fraudes e flexibilizar a cobrança – hoje o usuário paga R$ 5 por hora em qualquer das quase 40 mil vagas para carros, mesmo que a use por só dez minutos.

“Vamos poder cobrar, por exemplo, R$ 1 pelo dia inteiro, dependendo do local, até cobrar por cinco minutos, por 15 minutos, meia hora etc. Vamos poder fazer várias modalidades de cobrança”, disse.

Segundo Tatto, o usuário poderá acionar o aplicativo assim que estacionar. Ao deixar a vaga, o usuário desfaz o acionamento e a cobrança é encerrada. Será possível adicionar mais tempo, se for permitido no local, e reservar a vaga com antecedência.

* As informações são do jornal Folha de São Paulo

Deixe um comentário