Funcionários do Metrô decidem hoje á noite se entram em greve nesta terça (2)

394
Foto: Ernesto Rodrigues/Folhapress

ATUALIZAÇÃO: A greve no Metrô foi CANCELADA! Os metroviários aceitaram a proposta de reajuste! Nesta terça (2/6) todas as linhas irão operar normalmente! Saiba mais: http://bit.ly/1FZtCUd


Os metroviários decidem, na noite desta segunda-feira (1/6), se irão parar totalmente a partir da 0h desta terça (2/6).

REUNIÃO NO TRT

O Metrô aumentou na tarde desta segunda-feira (1º) a proposta de reajuste salarial feita aos metroviários.

A reunião de conciliação entre a empresa e o sindicato da categoria aconteceu na tarde desta segunda (1). Uma assembleia, na noite desta segunda, deve decidir se haverá ou não greve a partir de quarta (2).

A proposta feita nessa segunda pelo Metrô foi de reajuste de 8,28%, sendo 7,21% do IPC/FIPE (de maio) e cerca de 1% de aumento real. Na semana passada, o Metrô havia oferecido 7,21%, que foi recusado. A paralisação, porém, não ocorreu na ocasião porque os funcionários aguardavam a reunião desta tarde.

Os metroviários pedem 18,64%, além de reajuste da cesta básica (de R$ 290 para R$ 422,84), aumento do vale-refeição (10,08%), pagamento do PLR (Participação nos Lucros e Rendimentos) e redução da jornada de 40 horas para 36. Já o TRT sugere, desde a semana passada, o índice de 8,82% de aumento.

O último reajuste salarial dos metroviários foi de 8,7% e ocorreu no mês de junho do ano passado.

EFETIVO

O desembargador Mauro Vignotto, do TRT da 2ª Região, reduziu o percentual mínimo de funcionários em atividade que os trabalhadores do Metrô paulista precisarão respeita caso seja feita uma paralisação da categoria.

Em decisão do último dia 27 de maio, o percentual de 100% de funcionários nos horários de pico foi reduzido para 80% e o índice de 70% fora dos horários de pico foi reduzido para 50%.

Ou seja, caso a categoria decida entrar em greve durante a negociação de reajuste salarial, o Sindicato dos Metroviários deverá garantir que 80% dos trabalhadores permaneçam em seus postos nos horários de pico da manhã e da tarde e metade deles fora desses períodos.

CPTM

Nesta terça-feira (2/6) às 11h30 haverá nova reunião de conciliação no TRT entre ferroviários e a CPTM. As propostas desta reunião serão levadas para assembleia às 18h para decidirem se haverá paralisação na quarta-feira (3/6).

O Sindicato dos Ferroviários reivindica 7,89% de reajuste mais 10% de aumento real, garantia de pagamento de, no mínimo, R$ 5 mil no Programa de Participação nos Resultados (PPR), auxílio materno-infantil de R$ 500, vale refeição de R$ 840 e vale alimentação de R$ 400. A CPTM oferece 6,65% de aumento. A proposta do Tribunal foi de 6,65% e mais 1,5% de produtividade.

Deixe seu comentário

comentários