Antes da inauguração da ciclovia, grupo faz homenagem a ciclistas mortos na Avenida Paulista

56
Foto: Avener Prado/Folhapress

Fazia muito frio, por voltas das 7h20 deste domingo (28), data da inauguração da ciclovia da avenida Paulista, quando 23 pessoas compareceram a duas cerimônias que homenagearam os ciclistas mortos nas imediações.

Na altura do número 1300, próximo à esquina com a rua Pamplona, as duas bicicletas que ficam amarradas a gradis, marcos de lembrança das mortes de Márcia Andrade Prado e Juliana Dias, receberam novas mãos de tinta branca e foram enfeitadas com flores.

Márcia morreu em janeiro de 2009, aos 40 anos, atingida por um ônibus. Juliana estava com 33 anos quando foi fechada e atropelada por um ônibus, que a atingiu na cabeça, em 2 de março de 2012.

Entre os presentes, na maioria ativistas ligados ao movimento Bicicletada, do qual ambas faziam parte, estavam Roberta Ferrari Andrade, 48, e Adriana Andrade Sertã, 16, primas de Márcia Andrade Prado.

Mãe e filha, as duas moram no Rio de Janeiro e fizeram questão de comparecer à cerimônia. “O que Márcia queria, que era humanizar São Paulo, começa a acontecer um pouco, agora, com essa ciclovia”, disse Roberta.

“Minha prima era apaixonada pela cidade. Essa ciclovia é uma vitória dela. De certo modo, nos da uma sensação de que ela não morreu em vão”, acredita a prima.

“Quando a Márcia morreu, fazia seis meses que a gente havia começado a Bicicletada. Estávamos todos apaixonados pela ideia”, conta a também ciclista Patrícia Iamamoto, 36, arquiteta e amiga de Márcia.

TRAUMA

A morte de Márcia criou um certa trauma na família, no que diz respeito ao uso de bicicletas. Apenas agora, quase seis anos após o incidente, é que a prima Roberta criou coragem para pedalar no Rio de Janeiro.

“Lá é ainda mais difícil que aqui”, diz Patrícia, que só percorre os trechos de ciclovia nos bairros de Botafogo, Leblon, Ipanema e Leblon. Quem a está ajudando a superar o trauma é o fotógrafo Henrique Boney, 40, que atua como Bike Anjo –voluntários que ensinam os interessados a pedalar no trânsito.

“Além de pedalar, propriamente, ensinamos também conceitos de direção defensiva e mecânica de bicicleta”, conta Boney, que esteve na cerimônia.

“A importância dessa ciclovia vai muito além do seu percurso (de cerca de 2,5 km)”, diz Boney. “Aqui temos um símbolo e uma certeza de que outras cidades verão São Paulo como fio-condutor de uma mudança em prol do convívio de ciclistas com carros”, acredita.

Fonte: Folha de São Paulo

Deixe seu comentário

comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here