Brasileiros e espanhóis debatem a nova geração da mobilidade

De acordo com dados disponíveis no portal do Governo Federal, a Espanha fechou o ano de 2022 comi o quinto maior parceiro comercial do Brasil, respondendo por quase 3% das exportações nacionais para o exterior. E foi pensando no futuro dessa parceria, que advogados brasileiros e empresários espanhóis, como Carlos Poveda Rey, CEO da UMILES, e Fabrício Pasquot Polido, Sócio de Inovação & Tecnologia e Solução de Disputas no L.O. Baptista, se uniram para organizar um evento que vai debater a nova geração da mobilidade e as possíveis alianças ente Brasil e Espanha que devem se formar nos próximos anos. Agendado para o dia 10 de maio, na Casa de Brasil, em Madrid, o encontro trará discussões relevantes para o futuro da mobilidade urbana no mundo, além de uma conversa ampla sobre como melhorar, ainda mais, o comércio entre os países.

Chamado “The Next Generation of Mobility: Alianzas España Brasil”, o evento vai contar com a apresentação de Trinidad Jiménez, Presidente da Câmara de Comércio Brasil-Espanha. Além de discutir as novas tendências da mobilidade urbana e os impactos dessas inovações no dia a dia das pessoas, nas formas de fazer negócios e na aplicação das leis, o evento tem o objetivo de promover cada vez mais interação entre os porta-vozes do Brasil e da Espanha. A advogada Cássia Monteiro, sócia do L.O. Baptista e Coordenadora do Comitê Jurídico da Câmara de Comércio Brasil Espanha, uma das idealizadoras do encontro, tem uma longa trajetória de atuação no país ibérico e acredita que fortalecer os laços entre Brasil e Espanha é um importante passo para conquistar novos clientes e contribuir com a economia.

“Temos trabalhado nos últimos seis anos no fortalecimento da “Espanha Desk”, por meio de atuação como palestrantes, visitas a embaixada, escritórios parceiros e aos principais players espanhóis que investem no mercado brasileiro. Nos últimos dois anos, por conta de nossa atuação bastante presente em Madrid, conseguimos aumentar nossa exposição e, consequentemente, incrementar a assessoria a clientes espanhóis que investem no Brasil”, conta.

A jurista complementa que a escolha da mobilidade urbana como tema central para o evento foi baseada na certeza de que é preciso apresentar para os países ibéricos as oportunidades que o Brasil traz de ampliação de mercados e como a nação tem demanda para os mais variados produtos e serviços. “Temos sido pioneiros em assuntos que envolvem alianças estratégias entre Espanha e Brasil, propondo debates e apresentando a espanhóis oportunidade de novos mercados no Brasil”, finaliza.

PROGRAMAÇÃO

O evento começa com Carlos Poveda Rey, CEO da UMILES, que vai falar sobre inovações, no painel “Mudando como o planeta se move”. Ignacio Rodríguez, CTO da Bluenest, vai trazer uma explanação sobre como, em um futuro não tão distante, poderemos fazer a “Integração dos Vertiportos na cidade”. David Freire Ortega, Diretor de Experiência da NTT DATA vai abordar cases no painel “Mobilidade como um serviço”. Enquanto Laura Mota Calegari, consultora executiva da Leadin Aviation Consulting, traz todas as atenções de volta para o Brasil, com o tema “EVTOL: Mobilidade sustentável aterrissa no Brasil”.

Javier Martinez Rios, Diretor de eMobility Espanha na EDP vai debater “Presente e futuro das redes de carregamento de veículos elétricos”, já Guillermo Maldonado Riesgo, Sócio Gerente TEMA Ingeniería S.A discorre sobre “Tendências atuais e futuras em Mobilidade Urbana Sustentável”. Encerrando os painéis empresariais, Carlos Blanco Calzado, COO do Santander Consumer Mobility Service, apresenta o “Case Wabi” e Estíbaliz Pombo Gerente de Produtos Energéticos da REPSOL conta como “A Repsol enfrenta o desafio da descarbonização na mobilidade”.

Abrindo as discussões de contexto jurídico, Fabrício Pasquot Polido, Sócio de Inovação & Tecnologia e Solução de Disputas no L.O. Baptista vai explicar “Direito e Mobilidade urbana no Brasil: aspectos regulatórios e tecnologias emergentes”. E Cristina de Santiago Alvarez, sócia-gerente da Aledra Abogados, encerra com uma reflexão: “Mobilidade urbana, um novo direito fundamental?”