21.6 C
São Paulo
quinta-feira, abril 25, 2024

Os desafios do trânsito para 2023

Todo ano, mais de 30 mil brasileiros encontram a morte em uma rodovia, rua ou avenida do país. No mesmo período, mais de 200 mil, sobrevivem, mas enfrentarão sequelas graves e invalidez permanente, o que deixa o Brasil ainda distante de atingir a meta da ONU para segurança no trânsito. A mais recente pesquisa sobre a situação da malha rodoviária brasileira revela que a má conservação das estradas segue sendo um grande entrave à segurança de motoristas, pedestres, ciclistas e passageiros. 

Mesmo diante desse cenário preocupante, nos últimos anos assistimos a diversas tentativas de flexibilização das normas de segurança previstas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), sem respaldo técnico e ignorando os riscos à vida. Em 2019 o presidente da República apresentou Projeto de Lei para isentar de multa quem transporta crianças de forma irregular, fora da cadeirinha de segurança. Nunca é demais lembrar que acidentes de trânsito são a principal causa de mortes de crianças por fatores externos. Graças à reação da sociedade e de entidades científicas, a ideia não avançou. 

Em vez de adotar medidas que contribuíssem para a segurança no trânsito, o governo que se encerra caminhou na direção contrária: reduziu as fiscalizações com radar móvel nas rodovias; ampliou a validade da Carteira Nacional de Habilitação (CNH), esticou o limite de pontuação por multas e afrouxou as fiscalizações do cumprimento da Lei do Descanso por motoristas de caminhão.

O resultado disso é o aumento da letalidade de acidentes devido ao excesso de velocidade; motoristas com saúde debilitada que agora dirigirão por 10 anos; incentivo a comportamentos infracionais e caminhoneiros que dirigem por mais de 24 horas sem descansar. São ações que favorecem o motorista infrator e, pior que isso, têm o poder de aumentar o número de acidentes e mortes. Por outro lado, medidas como a implantação dos drogômetros, para fiscalizar o consumo de substâncias psicoativas pelos motoristas, e investimentos em educação para o trânsito ficaram de lado.

Todas essas medidas, que negligenciam a segurança no trânsito, criam nos condutores a sensação de impunidade. A percepção de que isso é ilusão ficou clara quando a Polícia Rodoviária Federal (PRF) retomou o ritmo de fiscalizações no pós-pandemia. O número de pessoas flagradas dirigindo alcoolizadas nas rodovias federais brasileiras cresceu 80,7% no primeiro semestre deste ano e o descumprimento à Lei do Descanso triplicou em 2022. Estamos retrocedendo.

O desafio do novo governo que se inicia em 2023 é recolocar a segurança viária na pauta do centro do poder; resgatar sua relevância, blindá-la de intervenções políticas, incentivar campanhas de educação e respeito às normas de trânsito; reavaliar graves alterações no CTB para evitar mortes e criar, efetivamente, políticas públicas que salvem vidas.

Precisamos de um governo que entenda que investir em segurança viária vai além da já tão nobre missão de salvar vidas: contribui para reduzir os custos públicos com hospitalizações, seguridade social e perda de força produtiva. Quando o Brasil cuida da segurança no trânsito, todos ganhamos. Cada vida vale a pena.

MOBILIDADE SAMPA

Siga o Mobilidade Sampa nas redes sociais e fique informado sobre a mobilidade urbana de São Paulo e Região Metropolitana:

  • Twitter
  • Instagram
  • Telegram
  • Facebook
  • YouTube
  • LinkedIn
  • Alysson Coimbra
    Alysson Coimbra
    Alysson Coimbra é diretor científico da Associação Mineira de Medicina do Tráfego (Ammetra).

    ÚLTIMOS POSTS

    SIGA-NOS

    6,317SeguidoresSeguir
    28,236SeguidoresSeguir
    439InscritosInscrever
    PUBLICIDADE

    ÚLTIMOS POSTS