Pontes, viadutos e túneis recebem sinalização de alerta de altura em SP

A cidade de São Paulo conta, até o momento, conta com 34 dispositivos de proteção às Obras de Arte de Engenharia Civil (OAE) como pontes, túneis e viadutos. As peças têm sido instaladas pela Prefeitura, por meio da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), desde setembro de 2021. A nova sinalização evita que veículos com excesso de altura atinjam essas estruturas, comprometendo sua integridade e causando prejuízos ao erário e à população. Durante esses sete meses não houve registro de choque de veículos com as OAE que já contam com a proteção dos dispositivos.

De acordo com levantamento da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), esse fato não significa que os condutores estejam respeitando a sinalização. Entre os meses janeiro e abril deste ano os agentes de campo da CET registraram, em toda a cidade, 167 ocorrências de veículos com excesso de altura que ingressaram em área restrita e com dimensões limitadas. Nos locais que contam com a nova sinalização, no entanto, os motoristas pararam antes de atingir a estrutura das OEA, chocando-se nas chapas de metal que compõem o conjunto de dispositivos da nova sinalização. Desta forma, o propósito de evitar danos às OAE, reduzindo os prejuízos causados ao erário e à segurança da população, foi alcançado.

Os túneis, pontes e viadutos da capital possuem sinalização de regulamentação (placas) e advertência aos motoristas, exibindo os limites máximos de altura permitidos. As “últimas saídas” existentes para os veículos acima dos limites também estão ostensivamente sinalizadas. Entretanto, foi necessário que a CET adotasse o novo modelo para chamar ainda mais atenção daqueles ignoraram a sinalização padrão e ingressaram em área restrita.

Como funcionam

Alguns dispositivos integram a nova sinalização. O primeiro deles é composto por uma série de chapas de alumínio, penduradas por meio de colunas cônicas, instaladas algumas dezenas de metros antes da OAE. As chapas estão suspensas à exata altura do viaduto e se assemelham a um “varal”. Há também sinalização luminosa.

Caso passem caminhões ou ônibus com excesso de altura, o impacto das chapas metálicas com a carroceria do veículo chama a atenção do motorista e dá a ele a certeza de que o seu veículo está inadequado para o tráfego na via e que colidirá com a estrutura adiante.

Um segundo dispositivo é instalado junto à estrutura da OAE. São chapas de metal posicionadas imediatamente antes da estrutura viária, com a mesma altura, e que permitem mais uma oportunidade do condutor parar o veículo antes da colisão que poderia comprometer a integridade de pontes, viadutos e túneis.

O dispositivo desenvolvido pela CET foi inspirado em experiências de sucesso realizadas nos Estados Unidos e na Inglaterra.

Onde estão os dispositivos

  • Av. do Estado, antes do Viaduto da CPTM (IP/ST), após a Av. Mercúrio;
  • Av. 23 de Maio (Aeroporto/Centro), antes do Viaduto Gal. Euclides de Figueiredo;
  • Av. Pres. Juscelino Kubitschek, acesso ao Túnel Pres. Jânio Quadros;
  • Av. Lineu de Paula Machado, acesso ao Túnel Pres. Jânio Quadros;
  • Av. Morvan Dias de Figueiredo, antes da Ponte Pres. Jânio Quadros;
  • Av. Gabriela Mistral (Marg. Tietê/Penha) antes do Viaduto da Rede Ferroviária;
  • Av. Cruzeiro do Sul (Santana/Centro), em frente à Estação do Metrô Portuguesa-Tietê;
  • Av. Cruzeiro do Sul (Santana/Centro), em frente à Rua Dr. Gabriel Piza (Metrô Santana);
  • Av. Cruzeiro do Sul (Centro/Santana), 23,0 metros antes da Rua Leite de Morais (Metrô Santana);
  • Av. Cruzeiro do Sul (Centro/Santana), após acesso ao Term. Rod. Tietê;
  • Rua Eudoro Lemos, acesso à área de Embarque/Desembarque) – Terminal Rodov. Tietê;
  • Rua Pietro Giannoccaro/Ponte Fábio Lazzari, acesso à Av. Cruzeiro do Sul (Viga do Metrô);
  • Av. Otaviano Alves de Lima, antes da Ponte Jornalista Walter Abraão (Ponte Casa Verde);
  • Rua da Cantareira, em frente ao nº 903 (antes da Rua dos Clérigos) Viaduto da CPTM;
  • Av. Otaviano Alves de Lima/Av. Raimundo P. de Magalhães (antes da Ponte Comunid. Húngara/CPTM);
  • Av. Eng. Oscar Americano (Morumbi/Cidade Jardim) antes do Túnel Pres. Jânio Quadros;
  • Av. Alcântara Machado (C/B), antes do Viaduto Bresser;
  • Av. Pacaembu (Estádio/Barra Funda), antes do Vdto. Gal. Olímpio da Silveira;
  • Av. Pacaembu (após Vdto. Pacaembu-Barra Funda/Estádio) antes do Gal. Olímpio da Silveira;
  • Av. Dr. Felipe Pinel, antes da Rede Ferroviária (Fepasa) ref. R. Pe. Eduardo Lustosa/Rua Maestro Tavares de Lima;
  • Av. das Magnólias, acesso ao Túnel Sebastião Camargo;
  • Rua Stefano Mauser, antes da Rede Ferroviária (Fepasa) (após à R. Felipe Pinel);
  • Av. Dr. Felipe Pinel, antes da Rede Ferroviária (Fepasa) da R. Stefano Mauser/R. Dr. Felipe Pinel;
  • Av. Condessa Elisabeth Robiano, antes da Ponte Tatuapé (GPV-Lauer/Yoshida);
  • Av. Dr. Arnaldo, acesso ao Túnel José Roberto Fanganiello Melhem;
  • Rua Anhaia com Rua Silva Pinto e Rua Júlio Conceição;
  • Rua Silva Pinto com Rua Anhaia e Rua Júlio Conceição;
  • Av. Rebouças (B/C), acesso ao Túnel Noite Lustrada;
  • Av. Alcântara Machado (B/C) – Radial Leste – antes Vdto. Bresser;
  • Rua Herval, antes do Viaduto Guadalajara (João Behisnellian);
  • Rua Visconde de Parnaíba, antes do Viaduto Bresser (Romulado Hatty);
  • Rua Herval, antes do Viaduto Guadalajara (João Behisnellian);
  • Av. Raimundo Pereira de Magalhães , antes da Rua Gago Coutinho (Viaduto da CPTM);
  • Rua Hugo Capotini/Rua Domingos Barbieri – Rodovia Raposo Tavares.