Fiat Argo: veja sobre o modelo

Conheça as principais características da versão 2022 do hatch da Fiat

122
Modelo Fiat
Foto: Divulgação/Pixabay

Lançado em 2017, o Argo foi uma aposta da Fiat que chegou ao mercado com uma difícil missão: substituir, de uma única vez, o Palio, o Punto e o Bravo. Por isso, foram criadas versões distintas, com motores de 1.0 litro, 1.3 litro e 1.8 litro, capazes de se encaixarem na faixa de preço dos antecessores.

Além disso, o Argo precisou conquistar o seu espaço competindo com o Hyundai HB20, o Chevrolet Onix e o VW Fox, sem contar hatchs mais valorizados, como o VW Polo e o Peugeot 208. Uma tarefa difícil para o novo veículo da Fiat, mas que foi capaz de conquistar espaço entre os brasileiros. Abaixo, conheça algumas das principais características sobre o hatch.

Características

O modelo 2022 do Argo tem 3,99 metros de comprimento (sendo 2,52 metros entre eixos), 1,72 metros de largura e 1,5 metro de altura. Com falsas entradas de ar em suas laterais, ele tem um ar esportivo, reforçando o seu estilo jovial. Ele conta com faróis duplos de LED na versão 1.3 S-Design e HGT; os faróis de neblina ficam ao centro.

Desde a versão 1.0 ele já apresenta elementos típicos dessa categoria, como direção elétrica, ar-condicionado, travas e vidros dianteiros elétricos, computador de bordo e limpador, lavador e desembaçador traseiro.

Por dentro, ele tem painel com três revestimentos, sendo que o central possui texturas e tons que diferem entre as versões Drive, HGT e Trekking. De forma geral, ele é bem completo, incluindo comando de computador de bordo, ajustes de mídia e áudio e piloto automático com limitador de velocidade.

Com exceção das versões mais baratas, também há ajuste de altura e profundidade na coluna de direção. Na versão HGT, o ar condicionado é automático, enquanto no Drive, é manual. Ao todo, são cinco difusores de ar, sendo que três deles ficam no centro do veículo.

Ele também apresenta ajuste de altura no banco do motorista, além de cintos de três pontos em todos os assentos, sendo que o traseiro é bipartido com Isofix e Top Tether. Entre os bancos traseiros, há entrada USB adicional para os passageiros, assim como dois porta-copos (um dianteiro e outro traseiro).

As versões mais caras permitem o acesso tipo keyless, com partida por botão, já que a chave é eletrônica. No painel, o motorista encontra teclas de desligamento do ASR, que é o controle de tração e estabilidade, e do Start & Stop, sem contar a luz de alerta sobre o cinto do passageiro.

O modelo ainda é equipado com assistente de partida em rampa, freios ABS com EBD, barras de proteção nas portas e quatro airbags, sendo dois frontais e dois laterais. Também há sensor de pressão dos pneus.

Motor e consumo

Da família Firefly, os motores que equipam o carro entregam um desempenho eficiente para o motorista. A versão 1.0 rende 77/72 cv a 3.250 rpm, o suficiente para circular na cidade. O motor 1.3 é caracterizado com potência de 109/101 cv, mostrando ter boa força em baixos giros.

A versão 1.8 tem 139 cv, mas é um motor considerado pelos especialistas como defasado e que consome muito, algo que não acontece com os outros modelos. Por exemplo, o 1.0 faz 13,2 km/L na cidade e 14,2 km/L na estrada com gasolina, enquanto com etanol, essa média é de 9,3 km/L e 10 km/L, respectivamente.

A versão 1.3 tem um rendimento de 12,5 km/L na cidade e 14,7 km/L na estrada movido a gasolina, enquanto o etanol rende 8,9 e 10,4 km/L, respectivamente. Em ambos os casos, os modelos que contam com a função Start&Stop têm um rendimento um pouco superior com ambos os combustíveis.

Já os motores 1.8, ao serem abastecidos com gasolina, rendem 9,7 km/L na cidade e 12,8 km/L ao viajar pelas estradas. Com o etanol no tanque, o rendimento é de 6,9 km/L nas vias urbanas e de 9,2 km/L na malha rodoviária.

Deixe seu comentário