Dia Mundial sem Carro: inovações possibilitam mobilidade mais inteligente

44
Ônibus Vermelho
Foto de Ant Rozetsky por Unsplash

Vinte anos após a primeira iniciativa no Brasil para a prática do Dia Mundial sem Carro, diversos hábitos alteraram o cenário da mobilidade urbana. Principalmente após quase dois anos de pandemia, muitas pessoas mudaram seus padrões de deslocamento, deixaram de se movimentar, flexibilizaram o horário de sair de casa, passaram a priorizar modos de transporte individuais e aumentaram o uso de serviços de entrega.

Diante desse contexto, é necessário que os governos estejam atentos a essas mudanças e à adoção de novos hábitos da sociedade para que possam implementar políticas que incentivem uma mobilidade mais igualitária, inovadora e sustentável.

Com o avanço da tecnologia, novas soluções foram apresentadas aos cidadãos, que passaram a enxergar o carro como um serviço, não mais um bem de consumo. Segundo dados do Departamento Nacional de Trânsito (2020), as emissões de Carteira Nacional de Habilitação (CNH) caíram mais de 20% em três anos para condutores até 21 anos. Já em pesquisa realizada pela Deloitte (2019), constatou-se que 62% da geração Y e Z consideram dispensável possuir um veículo no futuro.

Além disso, 43% dos jovens que participaram do estudo utilizam serviços de veículos compartilhados pelo menos uma vez por semana. Com o declínio do carro privado, os aplicativos de mobilidade ganham força e a inovação torna-se uma peça fundamental para garantir uma nova realidade para a locomoção inter e intra cidades.

No Dia Mundial sem Carro, trazemos ao debate o conceito da Nova Mobilidade no Brasil, um termo comumente utilizado para definir a incorporação da tecnologia na mobilidade, como a utilização de aplicativos de smartphones para informações sobre mobilidade em tempo real, pagamentos digitais de transporte, serviços de compartilhamento e veículos sob demanda.

Além de atender às crescentes demandas da população de forma fácil e eficiente, essas inovações podem ajudar na gestão da mobilidade urbana, promovendo a integração entre os modais, o aumento da acessibilidade ao sistema de transporte e a redução da dependência do automóvel privado.  

E, para a promoção desta mobilidade mais inteligente, a colaboração entre atores públicos e privados é essencial. O setor privado possui agilidade para acompanhar as mudanças e necessidades da sociedade, podendo contribuir com estudos e  evidências concretas para orientar políticas públicas, além de novas soluções para o sistema de mobilidade que qualificam os deslocamentos urbanos.

Portanto, cidades que abrem seus dados públicos de mobilidade e seus sistemas de pagamento integrando-se às plataformas de informação adequam os serviços públicos à nova realidade do transporte, atendendo cada vez melhor a população.

Sobre a Amobitec

Fundada em 2018, a Associação Brasileira de Mobilidade e Tecnologia (Amobitec) é uma entidade de direito privado, que reúne empresas de tecnologia prestadoras de serviços relacionados à mobilidade de bens ou pessoas, como intermediação de viagens de transporte individual privado, aluguel de equipamentos de micromobilidade, conexão de pessoas com empresas de fretamento coletivo, além de aplicativos de mobilidade como serviço.

Deixe seu comentário