5 inovações em mobilidade urbana para falar em sala de aula

Na Semana da Mobilidade, Nova Escola e Fundação Grupo Volkswagen trazem reflexões sobre empatia, sustentabilidade, coletividade e cidadania

205
Ônibus São Paulo

Foto de Bruno Henrique no Pexels

A mobilidade urbana vai além dos meios de transporte e leis de trânsito e tem muita relação com conscientização social. Por isso, a Nova Escola, negócio social voltado a oferecer recursos para educadores e melhorar a educação pública no Brasil, e a Fundação Grupo Volkswagen se uniram para levar a discussão para as salas de aula com o objetivo de construir uma sociedade mais sustentável por meio dos seus alunos.

A iniciativa Cidadania em Movimento – Ensinando jovens, formando cidadãos contou com uma live, cursos e um Nova Escola Box, disponíveis em uma plataforma on-line, que reúnem caminhos para trabalhar a mobilidade com os alunos, trazendo reflexões sobre empatia, coletividade e cidadania, tudo de maneira gratuita. “Nossa proposta é que os temas sejam levados à sala de aula a partir de metodologias ativas, ou seja, todo aprendizado deve ser centrado no aluno para que ele construa seu próprio saber”, explica Bárbara Castro, coordenadora pedagógica da Nova Escola.

“O primeiro passo para isso é levantar o conhecimento dos alunos sobre os temas, por exemplo, perguntando qual o trajeto de cada um para a escola, se observam ciclovias ou acessibilidade no bairro, e até se o poder público privilegia transporte coletivo. Nós usamos o viés da empatia para falar de mobilidade pois é desse ponto que formamos cidadãos”, diz.

Na Semana da Mobilidade, que acontece de 18 a 25 de setembro, o projeto convida professores, alunos e todos os membros da sociedade a refletir sobre a relação da data com a educação por meio de uma ação na mídia das linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha do Metrô de São Paulo que se completa nas redes sociais da Nova Escola.

Confira 5 inovações em mobilidade urbana para levantar discussões sobre o tema, em sala de aula ou em casa:

  • Bicicletas compartilhadas: As bicicletas são um meio de transporte saudável, não poluente e de baixo custo, além de serem democráticas por serem utilizadas por pessoas de todas as idades. O sistema de aluguel de bicicletas é uma solução econômica para quem precisa fazer trajetos curtos, muitas vezes em integração com o transporte público.
  • Ciclovias: Para garantir a segurança de quem opta pela bicicleta como meio de transporte, é importante que as cidades invistam em ciclovias. Copenhagen, capital da Dinamarca, possui 530 mil habitantes, e 55% deles optam por usar bicicletas ao invés dos carros. A cidade possui 340 quilômetros de ciclovias para atender a essa demanda. No Brasil, São Paulo é a cidade com a maior malha cicloviária (que inclui ciclofaixa, ciclovia e ciclorrotas) do país, com 681 quilômetros de extensão.
  • Semáforos inteligentes: Para apoiar o problema do trânsito das grandes cidades, a implementação de semáforos inteligentes é uma solução. Eles possuem uma tecnologia capaz de detectar o fluxo de veículos, se adaptando à necessidade do momento, aumentando ou diminuindo o tempo de cada sinal de acordo com a demanda. Isso aumenta a fluidez do trânsito.
  • Acessibilidade: As dificuldades de locomoção pelas cidades são realidade para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. A acessibilidade é o direito que garante acesso igualitário, para que as pessoas possam viver de forma independente, se locomover e exercer sua cidadania e de participação social. Para apoiar, o Google Maps possui uma ferramenta que indica rotas acessíveis para determinados trajetos.
  • Mapas digitais: Os mapas digitais com GPS, instalados em todos os celulares, estão cada vez mais populares. Eles ajudam na busca de rotas rápidas em tempo real e também no trajeto para endereços desconhecidos. A utilização da ferramenta faz o tempo em trânsito diminuir.

Cidadania em Movimento

A iniciativa Cidadania em Movimento – Ensinando jovens, formando cidadãos tem como objetivo apoiar os educadores na formação das crianças e jovens, para que repliquem o conhecimento e construam uma sociedade mais sustentável. Os conteúdos são voltados para professores e trazem uma abordagem interdisciplinar sobre o tema, relacionando-o com duas competências gerais previstas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) que precisam ser trabalhadas com todos os estudantes: a argumentação e a responsabilidade e cidadania.

“A mobilidade urbana é uma das causas abraçadas pela Fundação Grupo Volkswagen. Entre as ações que realizamos nessa frente, estão parcerias com organizações da sociedade civil, órgãos públicos e negócios sociais voltados a pensar e criar soluções conectadas à realidade de escolas, territórios e comunidades, sem deixarmos de olhar para as tendências do futuro. Na Semana da Mobilidade, convidamos educadores e todos aqueles interessados no tema da mobilidade urbana a conhecerem uma das iniciativas que realizamos nessa causa: a plataforma Cidadania em Movimento, em conjunto com a Nova Escola”, afirma Vitor Hugo Neia, Diretor de Administração e Relações Institucionais da Fundação Grupo Volkswagen.

“Este é um tema muito importante para se tratar nas escolas, porque promove a conscientização de crianças e jovens que serão responsáveis pela construção de uma sociedade mais sustentável e equilibrada. Para que os professores tenham embasamento e compreendam a grandiosidade da discussão, fizemos a iniciativa Cidadania Em Movimento. Os temas são interdisciplinares e é possível usar outros componentes curriculares como geografia, língua portuguesa, história, ciências e matemática. É uma iniciativa que contempla todos os professores”, diz Bárbara Castro, coordenadora pedagógica da Nova Escola.

Os professores são apresentados aos conteúdos por meio de metodologias ativas para serem aplicadas em sala de aula, tanto para ensino remoto ou híbrido, sobre “Mobilidade urbana e sustentabilidade”, “Inclusão social na mobilidade urbana e o acesso à cidade”, “Condição de acesso da mulher à mobilidade urbana” e “Fatores de insegurança na mobilidade urbana: comportamento versus estrutura”.

Deixe seu comentário