Praia Grande é a primeira cidade a receber visita técnica para elaboração do Plano Regional de Mobilidade

157
Plano Mobilidade Praia Grande
Foto: Divulgação/Prefeitura de Praia Grande

Praia Grande recebeu no dia 11 de agosto de 2021, visita técnica da empresa Setec Hidrobrasileira Obras e Projetos com o objetivo de fazer um levantamento de dados para o início do processo de elaboração do Plano Regional de Mobilidade Sustentável e Logística da Baixada Santista. A ação está sendo coordenada pela Agência Metropolitana (Agem) e o Município foi o primeiro receber a passagem dos técnicos.

Durante as visitas às secretarias Municipais de Transportes (Setransp) e de Trânsito (Setran) representantes dos setores apresentaram projetos relacionados à implantação do VLT (Veículo Leve Sobre Trilhos) e BRT, além de apresentar o cenário viário e de transporte atual.

O projeto do Plano Regional de Mobilidade Sustentável e Logística da Baixada Santista, iniciado em maio deste ano, tem duração prevista de 15 meses e faz parte do Programa Euroclima+, da União Europeia, que financia ações de redução dos efeitos das mudanças climáticas e adaptações a elas. O Plano Regional de Mobilidade Sustentável e Logística da Baixada Santista definirá as ações que promovam a integração metropolitana e impulsionem a mobilidade urbana sustentável nas nove cidades da Baixada Santista.

A Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) é a responsável pelo projeto e a execução ficará a cargo da empresa Setec. A Agência Metropolitana tem a responsabilidade da gestão, do acompanhamento e do direcionamento dos trabalhos juntamente com a Câmara Temática de Mobilidade e Logística.

Entre os assuntos a serem tratados durante as visitas, que também serão realizadas nas demais cidades da região, estão a base de dados de bilhetagem eletrônica para modelagem de transportes, o levantamento dos projetos de mobilidade já existentes, as propostas do município para diretrizes do Plano Regional de Mobilidade Sustentável e Logística de Praia Grande e as perspectivas para o futuro da mobilidade na região, entre outros assuntos de interesse do município.

O gerente da Setec, responsável pelo Plano Regional de Mobilidade Sustentável e Logística da Baixada Santista, Luís Fernando di Pierro, afirmou ter achado o sistema de transportes de Praia Grande muito organizado. “A cidade conta com muitos projetos já com uma visão metropolitana, o que vem ao encontro do nosso Plano, que tem justamente essa visão de integração da região. O nosso primeiro desafio será promover essas ações regionais conectadas; além dos desafios já expressos na Política Nacional de Mobilidade Urbana. Como o de dar prioridade ao transporte público, ao transporte ativo de bicicletas e pedestres, reduzir o uso do transporte individual, e das emissões dos gases efeito estufa, com medidas tecnológicas, operacionais e de gestão”.

Dentre os próximos passos, di Pierro destacou que está a continuidade da identificação do cenário atual da região. “A sequência de ações inclui o levantamento de dados e, principalmente o diagnóstico da situação. A partir dessas informações, teremos a nossa linha base da mobilidade metropolitana e com ela vamos poder propor ações junto à sociedade para aprimorar todo o sistema”.

Segundo o diretor executivo da Agem, Milton Gonçalves de Luz, é muito importante que a empresa responsável pelo trabalho veja em loco o cenário das cidades. “Assim, é possível perceber quais são as necessidades da região nesta área de transporte e sistema viário. E Praia Grande foi escolhida como a primeira a receber essa visita técnica por ser uma cidade à frente dos tempos e construída de forma planejada”.

Durante a reunião, o secretário de Transportes de Praia Grande, Leandro Avelino, apresentou para a equipe técnica os projetos do VLT e BRT, além de explicar a problemática atual do viaduto localizado na altura do trecho chamado de Curva do S. “Esses encontros nesta fase inicial do Plano Regional são essenciais para a montagem do diagnóstico real de tudo o que vem acontecendo nas nove cidades e quais são as propostas de acordo com essas realidades, mas de forma que possam aprimorar o sistema de forma metropolitana”.

Deixe seu comentário