Demanda por táxi cresce nas grandes capitais

Levantamento da Vá de Táxi mostra que 60% do crescimento orgânico ocorre pela migração de passageiros insatisfeitos com a qualidade dos serviços de aplicativos de motoristas particulares

98
TáxiGov
Foto: Divulgação/PxHere

A demanda de passageiros por táxis tem crescido diariamente nos últimos seis meses. A informação é da empresa Vá de Táxi, aplicativo de mobilidade fundado em 2013, com base nas chamadas feitas por meio da plataforma. Segundo o CPO da empresa, Fernando Chavarro, o aumento do número de corridas se dá em parte pelo retorno do trânsito a sua normalidade e, em parte, organicamente, pois há uma significativa quantidade de usuários de aplicativos de motoristas particulares migrando para o táxi.

“Nosso crescimento tem sido em torno de 18% mês a mês nos últimos seis meses”, afirma Chavarro. Segundo o executivo, 60% do crescimento orgânico pode ser atribuído à péssima qualidade do serviço prestado pelos aplicativos concorrentes. “Varia de cidade para cidade, mas nas grandes capitais, onde o volume de corridas é mais significativo, o percentual é este”, explica.

Embora as reclamações sejam variadas, a mais comum relatada por usuários que migraram para o serviço de táxi é o cancelamento de corridas. O cliente solicita um carro pelo aplicativo, o motorista confirma, mas cancela assim que aparece a possibilidade de pegar outra corrida de maior valor aumentando, desta forma, o tempo de espera do passageiro. “Parece que esses motoristas não são punidos por causa desses cancelamentos. Ou seja, esses aplicativos estão se esquecendo da experiência do usuário final, desrespeitado com esse comportamento”, comenta Chavarro.

Os motoristas de aplicativos só podem fazer corridas por meio das plataformas em que estão inscritos e que cobram em torno de 30% de taxas sobre o valor da corrida. Os taxistas, ao contrário, usam aplicativos como o Vá de Táxi de forma complementar, pois estão autorizados a pegarem passageiros sem o uso do aplicativo. O custo para o taxista também é menor, pois a Vá de Táxi cobra 15% de taxa, no máximo. “É um percentual inicial que pode ser reduzido por conta de uma série de projetos de gamificação e de incentivos que visam chegarmos a taxas menores. Essas iniciativas variam de um mês para o outro”.

Para explorar a falha da concorrência, a Vá de Táxi planeja investir mais em tecnologia e em produto para distribuir a frota de táxi de maneiras mais eficientes. “Temos obsessão por melhorar nosso serviço ao cliente. Por isso, oferecemos capacitações cada vez mais relevantes para que nossos motoristas interajam e brindem os passageiros com um serviço de primeira linha”, afirma. A companhia conta hoje com 130 mil taxistas inscritos na plataforma, mais de 1 milhão de clientes pessoas físicas e 130 clientes corporativos.

Para Chavarro a tendência é de crescimento dos serviços prestados pelos taxistas. Em sua avaliação a forma pela qual os aplicativos de motoristas particulares têm crescido não se preocupa com o cliente, visto apenas como um número. “Nós pensamos diferente. Acreditamos que quanto mais clientes satisfeitos, mas corridas vamos ter. E quanto mais corridas tivermos mais ganhos os taxistas vão receber. Um círculo virtuoso em que todos ficam satisfeitos”, conclui

Sobre o Vá de Táxi

Fundado em 2013, o Vá de Táxi é o aplicativo que possibilita a chamada de táxis via smartphone. Pioneiro em oferecer o pagamento das corridas 100% in-app (m-payment), a plataforma surgiu com o objetivo de oferecer mais benefícios e segurança para seus passageiros.

Em 2014, a Vá de Táxi recebeu investimentos da Incube, primeira venture builder do Brasil, e recentemente abriu seu leque de serviços. Além de transporte de passageiros, oferece agora serviços de socorro veicular demandados por empresas seguradoras como troca de pneus e recarga de baterias, entre outras ocorrências.

Deixe seu comentário