Bike Sampa chega a novos bairros da capital paulista

Além de Perdizes e Barra Funda, as bicicletas compartilhadas atravessam também o Rio Tietê e chegam a Zona Norte

237
Tembici QR Code
Foto: Divulgação/Tembici

A partir desta semana, os paulistanos da Zona Norte, Zona Oeste e Zona Sul ganham mais uma possibilidade de locomoção, com importantes integrações com o transporte público. As laranjinhas do Bike Sampa avançam para Perdizes, Barra Funda, Saúde e Santana de forma gradual, com término de instalações previsto para até o fim de setembro. O projeto de bicicletas compartilhadas é patrocinado pelo Itaú Unibanco e operado pela Tembici, líder em tecnologia para micromobilidade na América Latina.

“Nos estudos que fizemos, concluímos que as novas localidades são importantes para complementar a mobilidade urbana na região, além disso atravessar o Rio Tietê com o projeto também traz um enorme ganho para os deslocamentos, porque existem poucas pontes cicláveis na cidade e estamos quebrando essa barreira por meio da Ponte Casa Verde, abastecida com a ciclofaixa que conecta a Barra Funda e Santana. A população, de modo geral, sempre pediu muito pelo projeto na Zona Norte, estamos felizes com a realização”, explica Renata Rabello, gerente de Planejamento Urbano da Tembici.

As bicicletas compartilhadas também ganham um novo endereço próximo à estação Praça da Árvore da Linha 1-Azul do Metrô, permitindo uma nova opção de integração modal que vai facilitar não só a vida de quem pedala, mas de todo o trânsito da região. Segundo levantamento da Tembici, 1 a cada 5 viagens do Bike Sampa, são originadas de integração de transportes públicos.

As laranjinhas com tecnologia PBSC contribuem desde 2018 com o trânsito da cidade e melhores condições de deslocamento das pessoas, levando São Paulo para o caminho das cidades inteligentes. “O Bike Sampa, além de contribuir com o afastamento social durante a pandemia, é um modal sustentável, econômico e prático. No comparativo de janeiro a julho deste ano, houve um aumento de mais de 23% de viagens”, complementa Renata.

Curiosidades

  • Hoje, São Paulo conta com cerca de 684 quilômetros de extensão de infraestrutura ciclável, maior malha cicloviária do país e o plano de metas entre este ano e 2024 é aumentar mais 300 quilômetros;
  • Os paulistanos contam com 2.700 bicicletas e aproximadamente 260 estações distribuídas pela cidade e que funcionam 24 horas;
  • A maior adesão de bicicletas impacta significativamente no planeta. Somente em 2020, em São Paulo, mais de 800 toneladas de CO² foram economizadas, sendo que a cada tonelada emitida, é necessário o plantio de 7,14 árvores para que o planeta não sofra os danos causados por esta emissão;
  • As bicicletas compartilhadas do Bike Sampa podem ser destravadas por QR Code, permitindo que você não tenha contato direto com as docas, ou seja, além de prático ainda contribui com os cuidados pessoais exigidos na pandemia.

Deixe seu comentário