Greve da CPTM confirmada nesta quinta-feira, dia 15

Linhas 7-Rubi, 8-Diamante, 9-Esmeralda e 10-Turquesa devem ser afetadas; Linhas 11-Coral, 12-Safira e 13-Jade terão operação normal

81
Trem série 7000
Trem da série 7000 (Foto: Divulgação/CPTM)

Foi confirmada a greve dos funcionários da CPTM para esta quinta-feira, dia 15 de julho de 2021. As linhas 7-Rubi, 8-Diamante, 9-Esmeralda e 10-Turquesa devem ser afetadas e as demais linhas (11-Coral, 12-Safira e 13-Jade) terão operação normal.

Os funcionários decidiram pela greve após os sindicatos apresentarem o resultado da reunião de tentativa de conciliação com a CPTM realizada na tarde desta quarta-feira, dia 14 de julho, no Tribunal Regional do Trabalho, que terminou sem acordo.

Segundo os sindicatos, o Tribunal Regional do Trabalho propôs que a CPTM repusesse o salário em 6,22%, mas a empresa não aceitou. A categoria pede também o pagamento dos valores do Programa de Participação nos Resultados referente ao ano de 2020 que ainda não foi pago e deveria ter sido quitado em março deste ano.

O Sindicato dos Ferroviários de São Paulo representa os funcionários das linhas 7-Rubi e 10-Turquesa e o Sindicato dos Ferroviários da Zona Sorocabana representa os funcionários das linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda.

O Sindicato dos Engenheiros de São Paulo representa os trabalhadores da manutenção e engenharia das linhas e o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Central do Brasil representa os trabalhadores das linhas 11-Coral e 12-Safira.

O que dizem os sindicatos?

Leia abaixo na íntegra o comunicado conjunto dos sindicatos dos Ferroviários de São Paulo, dos Engenheiros de São Paulo e dos Ferroviários da Zona Sorocabana.

“Sem acordo em audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho, os Sindicatos da Sorocabana, de São Paulo e dos Engenheiros de São Paulo convocaram os ferroviários e se reuniram em assembleia para dar andamento à paralisação nessa quinta-feira, dia 15/07. ‘O Tribunal Regional do Trabalho propôs que a CPTM repusesse o salário em 6,22%, mas a empresa não aceitou. A categoria está cansada de tanto desrespeito e resolveu parar o serviço a partir da 0 hora dessa quinta’, esclareceu o presidente interino do Sindicato da Sorocabana, José Claudinei Messias.

Os sindicatos entraram com ação de Dissidio Coletivo de Greve no Tribunal Regional do Trabalho solicitando que a empresa aceite os termos propostos no Acordo Coletivo de Trabalho 2021/2022 que foi parcialmente assinada, mas, justamente, as cláusulas econômicas não foram aceitas pela companhia que insistem em reajuste zero pelo segundo ano seguido. ‘O ferroviário trabalhou toda a pandemia e se dedicou, já no ano passado a empresa não reajustou o salário e agora querem isso de novo, mas tudo aumentou, como os ferroviários vão ter condições de viver sem saber se vão conseguir pagar as contas’, indaga Messias.

Reunidos em assembleia, os ferroviários, resolveram avançar com a greve paralisando o serviço a partir da meia-noite dessa quinta-feira, dia 15 de julho, sem previsão de retomada da operação.”

Greve do Sindicato

O que dizem os sindicatos?

O presidente interino do Sindicato dos Ferroviários da Zona Sorocabana, José Claudinei Messias, disse que a CPTM não foi pega de surpresa. Leia abaixo a nota na íntegra.

“O Sindicato dos Ferroviários da Sorocabana, dos Engenheiros de São Paulo vem tentando negociar com a CPTM há mais de dois meses a reposição salarial dos ferroviários e a empresa vem sempre oferecendo zero já desde o ano passando. Lembrando que durante toda a pandemia, os ferroviários continuaram trabalhando, se dedicando e garantindo um transporte de qualidade para os profissionais da saúde, da educação, da segurança pública, entre outros e a empresa não reconheceu isto.

Nós tivemos inclusive que entrar na justiça para garantir o fornecimento de máscaras e álcool em gel. Então, a empresa não respeita os ferroviários e, por conta disto, nós fizemos uma assembleia no dia 6 de julho e a empresa foi oficialmente comunicada em 7 de julho da paralisação agora do dia 15. Então não foi avisado de última hora como a empresa vem alegando, foi avisado a mais de uma semana de antecedência.

Nós lamentamos também que por conta da omissão da CPTM e da Secretaria dos Transportes Metropolitanos nós tivemos atos de vandalismo. A responsabilidade é totalmente deles porque os sindicatos estão fazendo um ato pacífico e respeito. Infelizmente a população está sendo prejudicada por conta da omissão da CPTM e da Secretaria dos Transportes Metropolitanos.”

O que diz a CPTM?

A CPTM diz que lamenta a decisão dos sindicatos de fazer greve e que tem uma decisão da Justiça do Trabalho que determina a manutenção de 80% dos trabalhadores no horário de pico e 60% nos demais horários, sob pena de multa diária de R$ 100 mil. A empresa também irá operar com um plano de contingência. Leia abaixo a nota na íntegra.

“A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) considera inadmissível que os sindicatos que representam os colaboradores das linhas 7-Rubi, 8-Diamante, 9-Esmeralda e 10-Turquesa, com toda a linha de frente vacinada e com uma crise econômica, decida fazer greve nesta quinta-feira, 15 de julho, prejudicando e punindo exclusivamente o cidadão que necessita do transporte público para ir ao trabalho, incluindo os que trabalham na linha de frente no combate à pandemia de Covid-19.

A CPTM lamenta a decisão sobre a greve e espera que não haja adesão por parte dos trabalhadores em respeito aos cidadãos que necessitam do transporte. A Companhia reforça que há uma decisão da Justiça do Trabalho determinando a manutenção de 80% dos trabalhadores no horário de pico e 60% nos demais horários, sob pena de R$ 100 mil diários. A empresa também irá operar com um plano de contingência para atender a todos que precisam do transporte, principalmente aos que trabalham em serviços essenciais.

Enquanto milhares de trabalhadores perdem seus empregos ou tem suas rendas diminuídas – a renda média do trabalhador é de R$ 2.500,00, a CPTM mantém salários e benefícios rigorosamente em dia – salário médio de R$ 6.500,00, mesmo tendo sido duramente afetada pela queda na demanda de passageiros durante 2020 e todo o ano de 2021. Não é possível que estes sindicatos estejam em uma realidade diferente do restante do país, que sofre com desemprego, perda de renda e fome.

As linhas 11-Coral, 12-Safira e 13-Jade operarão normalmente nesta quinta-feira.”

Mobilidade Sampa

Siga o Mobilidade Sampa no Twitter, Instagram e Facebook e fique informado sobre a mobilidade urbana de São Paulo e Região Metropolitana.

Deixe seu comentário