Câmera inteligente “avisa” Buser sobre cansaço de motorista

Plataforma de fretamento colaborativo Buser é pioneira no uso dessas câmeras de fadiga; motorista pode ser trocado no meio da viagem se estiver com sinais de cansaço

49
Câmera de fadiga
Em mais de um ano de uso, Buser nunca registrou acidentes envolvendo veículos equipados com esse sistema (Foto: Divulgação/Buser)

No Maio Amarelo, mês de conscientização sobre segurança no trânsito, a Buser, maior plataforma de intermediação de viagens rodoviárias do Brasil, destaca como a tecnologia vem ajudando a tornar as viagens de ônibus cada vez mais seguras.

Uma das principais iniciativas da empresa nesse sentido é a câmera com sensor de fadiga, um equipamento que é capaz de detectar níveis de cansaço dos motoristas e que já está presente em mais de 250 ônibus parceiros da plataforma. A empresa destaca que em mais de um ano nunca registrou acidentes envolvendo veículos equipados com esse sistema.

Ainda pouco comum no segmento de viagens de ônibus, o sensor é capaz de fazer um reconhecimento do rosto e comportamento de piscada logo nos primeiros 5 minutos de monitoramento, identificando o que é padrão para aquele motorista. A partir dali tudo que fugir desse padrão ele vai registrar, como por exemplo uma piscada mais demorada ou o uso indevido do aparelho celular durante a viagem.

Esses dados geram alertas que são monitorados por uma central que funciona 24 horas por dia. Se o motorista entra em um nível de fadiga alto, o sistema envia um alerta vermelho, aí a equipe entra em contato com o profissional. Se necessário, o condutor é acompanhado remotamente pela central até o ponto de apoio mais próximo, onde é substituído por outro motorista. O tempo médio entre a constatação do problema e sua resolução na Buser leva cerca de 2 minutos.

Além da câmera de fadiga, a empresa também oferece aos ônibus o sistema de telemetria, ferramenta que permite o controle em tempo real da velocidade. Caso o motorista ultrapasse a velocidade de 90 km/h é ativado um aviso sonoro no veículo a fim de alertá-lo e a Buser aplica uma multa à empresa dona do ônibus.

Nos últimos seis meses, os casos de alertas em viagens a partir de 90 km/h caíram 86%, enquanto em viagens acima de 95 km/h a queda foi de 96%. Por meio desse equipamento também é possível saber se um veículo quebrou, se chegou ou saiu com atraso ou se passou do tempo de parada. Atualmente, são cerca de 380 ônibus da base com a telemetria.

Ações de conscientização

Fora as tecnologias, a Buser investe em outras ações para reforçar o comportamento seguro na direção e o bom atendimento para os clientes. A empresa está lançando um programa de conscientização com motoristas que resultará em um curso online de reciclagem para quem mais acumular advertências por conta de velocidade alta, uso de celular na direção e outras imprudências.

Na primeira fase do programa, já foram selecionados seis motoristas para passar pela reciclagem. O curso, gravado em vídeo, trará conceitos relacionados à segurança e qualidade para o condutor conseguir rever os cuidados necessários para se ter no volante.

Fazem parte da política de segurança da Buser ainda:

  • Motorista reserva: nos casos de viagens com percursos superiores a 437 quilômetros ou com mais de 7 horas de duração, é obrigatória a presença do segundo motorista
  • Treinamento: antes de ingressar na plataforma, todo motorista é obrigado a passar por um treinamento, onde ele aprende sobre os equipamentos e a política de segurança interna da Buser.
  • Central de monitoramento: a empresa conta com uma área de Risco e Contingência, que trabalha 24 horas durante 7 dias na semana acompanhando todas as viagens. Essa equipe é acionada para resolver qualquer tipo de intercorrência que possa acontecer durante o trajeto, principalmente envolvendo problemas mecânicos nos veículos.
  • Assentos preferenciais para mulheres: iniciativa que visa aumentar a sensação de segurança das mulheres e prevenir os crimes de assédio durante as viagens. Os assentos preferenciais femininos ficam localizados na parte da frente dos veículos, com capas no encosto de cabeça de cor branca e devidamente identificados. A quantidade de assentos reservados varia de acordo com o número de lugares de cada ônibus, mas sempre vai existir uma área reservada com percentual de 20% da totalidade de assentos.

Vale lembrar que tanto o sensor de fadiga e a telemetria em real-time conectados à central quanto as outras ações são exclusivos da plataforma Buser, indo além dos requisitos mínimos de segurança previstos pelos órgãos reguladores.

Deixe seu comentário