A bicicleta e a pandemia

132
Pedalando Bicicleta
Foto de VISHAKHA JAIN por Unsplash

São Tomé ficou conhecido como o apóstolo que só acreditou após ver, daí surgiu a frase: “Só acredito, vendo”. A dúvida, pode nos favorecer em muitos momentos, permitindo-nos, por exemplo, buscar mais informações antes de tomarmos uma decisão importante. No entanto, muitos de nós, acaba perdendo grandes oportunidades por não acreditar no que está diante dos nossos olhos.

É o caso das bicicletas. Após perceber o quanto elas são importantes no planejamento urbano, passei a vê-las com mais frequência e em todos os lugares. Quando se fala em esporte, lá está ela. Quando se fala em lazer, saúde, meio ambiente, mobilidade, turismo, educação e em diversos outros temas, a bicicleta está presente podendo desempenhar até um papel de destaque.

Há mais de um ano, o que mais se fala, em todos os veículos de comunicação é sobre a… pandemia, causada pelo Covid-19 e as medidas restritivas para se evitar a contaminação. Diante do cenário inédito em todo o planeta, muitas empresas estão fechando, trabalhadores perdendo os seus empregos, pessoas morrendo e grande parte dos segmentos enfrentando uma grave crise econômica.

O ano de 2020 foi quase que completamente “perdido” para boa parte do comércio diante de tantas dificuldades, no entanto, eis que surge, mais uma vez, a bicicleta, com um aumento de 50% nas vendas de 2020 em comparação a 2019. Mas como assim? Como pode a bicicleta ter um aumento tão expressivo em vendas no mesmo ano em que a economia entrou em crise e pegou a todos de surpresa?

A resposta é simples: A bicicleta é mais viável também nos momentos de crise. Bem mais barata para ser comprada e mantida que um automóvel ou uma motocicleta, a “magrela”, como também é chamada, se enquadra na recomendação da Organização Mundial de Saúde quanto ao distanciamento e ampliou a sua participação como meio de transporte, pois as pessoas se sentiram mais seguras, devido a menor quantidade de automóveis circulando nas ruas e, até mesmo, optaram por pedalar em vez de encarar as aglomerações nos transportes públicos coletivos.

A bicicleta também merece destaque no quesito saúde. Diante de tantas notícias sobre o assunto, muitas pessoas lembraram da velha recomendação médica sobre praticar atividades físicas. Como se não bastasse, a bicicleta está dando também uma significativa contribuição na geração de emprego e renda, sobretudo no trabalho por delivery, influenciando assim o crescimento do mercado de bicicletas no Brasil.

São tantos os benefícios gerados pelas bicicletas que a Organização das Nações Unidas criou uma força tarefa para garantir a sua continuidade nas cidades europeias, incentivando a mobilidade ativa e transformando propostas em políticas públicas, adequando o planejamento urbano acolhendo os ciclistas e pedestres para que utilizem de maneira mais segura as ruas e os demais espaços públicos.

Em Lauro de Freitas, na Bahia, um passo importante já foi dado com a criação da Lei 1.892 de 2020, que destina o percentual de 5% da receita arrecadada com a cobrança das multas de trânsito para a implantação e sinalização exclusivamente voltada aos ciclistas.

Quando implementada, a medida ampliará a segurança dos que já pedalam, incentivando o aumento do uso da bicicleta, elevando o desenvolvimento da cidade com a geração de emprego e renda, além de um novo status em relação tanto ao conceito de modernidade como de sustentabilidade.

É possível acreditar nas possibilidades de desenvolvimento sustentável para as cidades. Só não vê quem não quer.

Deixe seu comentário