99 e Justiceiras viabilizam canal de acolhimento a mulheres vítimas de violências

Nesta etapa, projeto poderá atender até 300 mil mulheres em parceria com a Organização não Governamental Justiceiras, uma rede de apoio formada por voluntárias em todo Brasil, com atendimentos nas áreas do Direito, Psicologia, Assistência Social e Médica

273
Motorista Mulher
Foto: Divulgação/Pixabay

A 99, empresa de tecnologia ligada à mobilidade urbana, amplia a sua participação na luta contra a violência feminina e viabiliza um canal de comunicação que conecta mulheres ao projeto Justiceiras, uma força-tarefa que reúne uma equipe multidisciplinar para prestar orientação e auxílio às vítimas de violências em todo o território nacional.

Pelos próximos três meses o serviço, resultante dessa parceria, estará disponível para atender até 300 mil mulheres.

Ao abrir o aplicativo da 99 e clicar na Central de Segurança, ela terá acesso a um formulário que direciona seu caso para a equipe das Justiceiras.

A partir de uma análise multidisciplinar, inicia-se o contato e o acolhimento. Presente em 1,6 mil cidades, a 99 tem quase 60% de sua base de usuários formada por mulheres.

Em 2020, a Companhia subsidiou 20 mil corridas gratuitas com destino à Delegacias da Mulher para estimular a denúncia e combater a violência sofrida seja em casa, no trabalho, no deslocamento, entre outros.

Esta ação teve início no Carnaval em uma campanha contra o assédio e foi estendido para o ano todo tendo em vista os sinais de aumento da violência doméstica por conta da quarentena provocada pela Covid-19.

“Temos um forte compromisso com a segurança e investimos continuamente para aprimorar nossa plataforma. Durante o ano passado, com a pandemia, entendemos que era nosso papel também facilitar o deslocamento das vítimas de violência até uma delegacia e, avaliando os números e em conversas com as integrantes do 99Mulheres, tomamos a iniciativa de conectar mais uma ponta deste processo, que é a de auxiliar as vítimas com apoio especializado, para que possam superar o ciclo de violência”, explica a diretora de operações e produtos da 99 e líder do 99Mulheres, Lívia Pozzi.

Para se ter uma ideia, em 2020, segundo dados do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, o isolamento social foi responsável por um crescimento de cerca de 40% no número de denúncias registradas pelo canal 180. O Brasil ocupa o incômodo quinto lugar em casos de agressão contra mulheres no mundo. A cada dois minutos uma mulher é vítima de agressão.

Para a idealizadora do projeto Justiceiras, a promotora de Justiça Gabriela Manssur, a parceria com a 99 vai permitir um alcance maior de mulheres que precisam de apoio ou estão em situação de risco. “Uma ação social admirável que, sem dúvidas, irá impactar beneficamente toda a sociedade. Mulheres mais informadas, são mulheres mais protegidas”, destaca.

Mais Mulheres na Direção

O lançamento desta hotline soma-se a outras ações adotadas, em 2020, pela 99, por meio do movimento “Mais Mulheres na Direção“, que possui iniciativas destinadas ao público feminino da plataforma, motoristas parceiras e, também, às colaboradoras da companhia, para encorajá-las a chegarem onde quiserem, a assumir a direção dos seus sonhos, das suas finanças e de suas vidas da melhor forma.

Com o intuito de dar força e empoderar o desenvolvimento das brasileiras, o movimento atua em iniciativas internas de diversidade e equidade de gênero na busca por parcerias com empresas e entidades para ofertar suporte às mulheres, incluindo mulheres trans, a ter acesso a recursos e programas de combate ao assédio e recolocação profissional.

Deixe seu comentário