Pagamentos digitais para a mobilidade urbana: um impulso para cidades mais sustentáveis e conectadas

Por Aida Esteban, líder de Mobilidade Urbana da Visa na América Latina e no Caribe e Alana Fook, consultora de Transporte do BID

149
Pagamento Mobilidade Urbana
Imagem de Michael Gaida por Pixabay

A pandemia de Covid-19 fez grande parte do mundo parar repentinamente no início de 2020. Em muitas cidades, antes movimentadas, o número de carros nas ruas diminuiu e as emissões de CO2 caíram drasticamente.

Em junho de 2020, previa-se que as emissões de carbono no mundo cairiam 8% em 2020, atingindo o menor índice desde a última década.

Veículos como automóveis, caminhões, ônibus e motocicletas são responsáveis por quase três quartos das emissões de CO2 liberados pelo sistema de transporte.

Eles emitem mais CO2 do que a aviação internacional e o transporte marítimo e são responsáveis ​​pela metade da contaminação do ar urbano.

Com a demanda do consumidor por veículos esportivos que consomem mais combustível em alta e sem sinais de queda, as emissões de gases de efeito estufa provenientes do transporte devem dobrar nos próximos 30 anos. Além disso, a meta do Acordo de Paris de reduzir as emissões em 7,6% ao ano entre 2020 e 2030 vai desaparecer.

As cidades estão na vanguarda dessa batalha. Embora ocupem apenas 2% do território do planeta, as cidades consomem mais de dois terços da energia do mundo e produzem mais de 70% das emissões mundiais de CO2.

Como mais de 90% das áreas urbanas estão em zonas costeiras, são particularmente vulneráveis ​​aos efeitos das mudanças climáticas. O problema é especialmente grave na América Latina e no Caribe, a região em desenvolvimento mais urbanizada do mundo.

Trata-se de uma região onde 8 em cada 10 pessoas vivem em cidades, e seis delas concentram quase 15% da população, as megacidades – com pelo menos 10 milhões de habitantes.

A região América Latina e Caribe (LAC) abriga 9% da população mundial, mas gera 12% das emissões de CO2 do mundo. O setor de transportes da região, movido principalmente a diesel e gasolina, é líder no uso de combustíveis fósseis; consequentemente, responde por 15% de todas as emissões de gases de efeito estufa, não apenas CO2.

Reduzir o uso de veículos de passageiros e desenvolver a mobilidade multimodal, principalmente o transporte público, a micromobilidade e soluções de mobilidade elétrica, são medidas que podem ajudar a região a aproveitar sua densidade populacional.

Para facilitar essa mudança nos padrões de mobilidade, tenho acompanhado o BID e a Visa, que estão comprometidos a ajudar as cidades a tornar o transporte mais eficiente e sustentável, impulsionando a mobilidade urbana para novas direções, ampliando o leque de pagamentos por aproximação aceitos para proporcionar uma experiência de pagamento segura e interoperável em vários meios de transporte.

Como o uso de transporte público é parte essencial da rotina urbana, este continua sendo um caso de uso importante para apresentar a tecnologia de pagamento por aproximação aos consumidores. A aceleração das interações digitais faz parte do nosso novo normal e mudou drasticamente não apenas nossa maneira de pagar, mas também como vivemos, trabalhamos e viajamos.

É provável que a facilidade de uso dos sistemas de pagamento por aproximação incentive os usuários a dar preferência ao transporte público e às opções de micromobilidade e a reduzir o uso do carro. Além disso, cria um caso de uso atraente para os produtos financeiros formais, o que pode ajudar a promover uma maior inclusão financeira e digital.

O BID tem ajudado os governos da região LAC a implementar sistemas de pagamento integrados e interoperáveis ​​para seus sistemas de transporte. Em estreita colaboração com as autoridades de transporte, tem apoiado o desenvolvimento de sistemas de pagamento inclusivos, sustentáveis ​​e interoperáveis ​​para o transporte público de países como México, Costa Rica, Panamá, República Dominicana, Equador, Paraguai e outros.

Na República Dominicana, as autoridades de transporte público adotaram uma solução de pagamento de circuito aberto nacional e multimodal que está impulsionando os pagamentos de transporte.

Um projeto em fase de implementação apoiado pelo BID venceu o prêmio internacional anual da ITS España. Colaborando com a VisaNet Dominicana, a Visa desenhou, desenvolveu e implementou uma solução aberta de pagamento de passagens para o projeto de ônibus de Santo Domingo, cuja base foi o modelo global e interoperável de Transações de Mobilidade e Transporte Público, tornando-se uma parceira-chave para o projeto.

Hoje, muitos organismos entendem que as experiências de pagamento por aproximação trazidas por essa tecnologia são essenciais para a recuperação pós-pandemia. Apesar das restrições relacionadas à pandemia de Covid-19 e os diferentes níveis de reabertura em vigor na região, tenho visto aqui pela Visa uma aceleração em seus mais de 500 projetos de mobilidade urbana ativos no mundo – projetos foram acelerados em apenas seis meses.

Embora a incerteza ainda prevaleça, uma coisa não mudou: as agências governamentais nacionais e municipais, juntamente com provedores de mobilidade do setor privado, devem continuar se adaptando, inovando e criando sistemas de transporte mais conectados e sustentáveis.

E acho que vale reforçar, estamos empenhados em ajudar governos e agências de transporte a acelerar essa transformação, a impulsionar a sustentabilidade e o crescimento econômico e a melhorar a qualidade de vida de residentes e turistas.

Deixe seu comentário