42º novo trem entra em operação na CPTM

Composição integrará frota da Linha 7-Rubi. Nos últimos anos, 147 trens entraram em operação.

0
81
novo trem
Foto: Alexandre Carvalho/A2img

Mais um novo trem entrou em operação na Linha 7-Rubi da CPTM nesta sexta-feira, dia 15 de junho. O trem da série 9500, fabricado pela empresa sul-coreana Hyundai Rotem, é o 42º recebido pela CPTM, do lote de 65 trens comprados. Assim, a Linha 7-Rubi conta agora com 26 trens novos.

Com isso, a CPTM dá continuidade ao processo de padronização da frota de todas as linhas, readequando as séries de trens de acordo com a necessidade operacional. O objetivo é oferecer trens modernos e com ar condicionado, proporcionando mais conforto aos usuários. A previsão é que outras 23 unidades entrem em operação gradativamente neste ano.

A Linha 7-Rubi é a maior da CPTM, com 60,5 quilômetros de extensão. O trecho com maior demanda vai da Estação da Luz à Estação Francisco Morato, com cerca de 420 mil passageiros transportados por dia útil. Já entre as estações Francisco Morato e Jundiaí, são cerca de 33 mil passageiros por dia.

Os trens possuem salão contínuo de passageiros (passagem livre entre os carros), monitoramento com câmeras na parte externa e interna e são acessíveis para pessoas com mobilidade reduzida ou deficiência (contam com sinalização visual para identificação de assentos preferenciais, mapa dinâmico e áudio, além de espaço para cadeirantes).

Também dispõem de monitores digitais internos com informações e interação das principais notícias sobre a prestação de serviços, além de reconhecimento eletrônico automático do maquinista por meio de biometria.

Ao longo dos próximos meses, os demais trens serão entregues e entrarão em operação, após a realização de testes que são feitos nos sistemas elétricos, mecânicos e de sinalização.

Dependendo das necessidades de ajustes que surgirem e do tempo de solução por parte do fabricante, os testes podem ser prolongados. As novas composições serão incorporadas para a renovação da frota de acordo com a necessidade operacional de cada linha.

Deixe seu comentário

comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO