Greve encerrada nas linhas 7-Rubi e 10-Turquesa da CPTM

160
Trem da CPTM
Foto: Reprodução

Por volta das 16h50 desta terça-feira (11) terminou a assembleia do Sindicato dos Ferroviários de São Paulo que representa os funcionários das linhas 7-Rubi e 10-Turquesa e a paralisação em ambas as linhas iniciada à 0h, foi encerrada.

Os empregados das Linhas 7-Rubi e 10-Turquesa retomaram os seus postos de trabalho e iniciaram a circulação de trens de forma gradativa até o começo da noite desta terça-feira (11), sendo totalmente normalizada por volta das 20h.

Por volta de 17h, os trens da linha 7-Rubi ainda circulavam com intervalos maiores entre as estações Luz e Francisco Morato. Na extensão, entre as estações Jundiaí e Francisco Morato, o atendimento estava sendo feito por Paese (Plano de Assistência entre Empresas em Situação de Emergência), com ônibus da EMTU estacionados em frente às estações.

Na linha 10-Turquesa, a circulação dos trens entre as estações Brás e Rio Grande da Serra tinha começado a ser restabelecida em toda a linha por volta das 17h40.

As linhas 8-Diamante, 9-Esmeralda, 11-Coral e 12-Safira operaram normalmente durante todo o dia, exceto a linha 9-Esmeralda que teve presença de usuário na via na Estação Socorro por volta das 6h15. O Metrô também operou normalmente.

Os funcionários das linhas 7-Rubi e 10-Turquesa decidiram paralisar as atividades após a CPTM não pagar integralmente, conforme firmado em acordo em setembro de 2016, o PPR (Programa de Participação nos Resultados) no dia 31 de março. A companhia disse não ter condições financeiras de honrar o compromisso e decidiu parcelar o pagamento, metade em março e metade, corrigida pelo índice (Índice de Preços ao Consumidor, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), em junho. A medida não foi aceita pelos trabalhadores.

“A segunda parcela (50%) do Programa de Participação nos Resultados será paga no dia 16 de junho, com valor corrigido pelo Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas acumulado nos meses de abril e maio deste ano. A companhia alega ajustes financeiros para parcelar o pagamento”, diz a companhia.

O Sindicato dos Ferroviários de São Paulo, que representa os funcionários das duas linhas, informou que vai entrar com uma ação judicial cobrando uma multa pelo que consideram como um atraso no pagamento. A entidade também disse que vai abrir uma ação por dano moral coletivo.

“Deveremos voltar à mesa de negociação no dia 20 de abril. Queremos que nossos direitos sejam respeitados”, disse o Presidente do Sindicato dos Ferroviários de São Paulo, Eluiz Alves de Matos, em declaração ao jornal Diário do Grande ABC.

Na próxima semana, a categoria também deve voltar a mesa de negociações com representantes da CPTM para discutir o reajuste salarial deste ano. A categoria pede a correção da inflação e mais 5% de aumento real, disse Eluiz Alves de Matos, em declaração ao jornal Folha de São Paulo.

Estação Santo André da Linha 10-Turquesa da CPTM (Foto: Rodrigo Pinto)

Cerca de 360 mil passageiros foram prejudicados com a paralisação na Linha 10-Turquesa. A CPTM declarou ao portal G1 que não acionou a operação Paese na linha 10-Turquesa porque seria um percurso muito longo da Estação Rio Grande da Serra até a Estação Brás.

A situação era caótica em frente à Estação Santo André no início da manhã, quando a estação estava fechada, muitos passageiros tinham a expectativa que os trens voltassem a circular e para algumas pessoas se deslocar de ônibus até o trabalho o custo aumentaria. As alternativas de ônibus intermunicipais saindo do ABC para a cidade de São Caetano e o Terminal Sacomã não deram conta da demanda, por causa da super lotação muitos ônibus não paravam nos pontos em Mauá e Santo André.

Na linha 7-Rubi, por conta da paralisação parcial, os trens não circularam entre as estações Jundiaí e Francisco Morato, havia filas do lado de fora da Estação Francisco Morato para pegar os ônibus da operação Paese, sentido Jundiaí, além de uma longa espera. Cerca de 440 mil pessoas utilizam a linha 7-Rubi nos dias úteis.

Segundo a CPTM, 63% dos empregados da Linha 7-Rubi e 10% da Linha 10-Turquesa compareceram aos seus postos de trabalho nesta terça.

Confira a nota emitida pela CPTM ao fim da greve:

“A CPTM esclarece que cerca de 50% dos seguranças e dos agentes de estação da Linha 7-Rubi aderiram à greve do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de São Paulo nesta terça-feira, descumprindo a decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região de manter 75% do contingente operacional nos horários de pico (das 4h às 10h e das 16h às 21h) e 60% nos demais períodos. Com o fim da greve, os empregados estão retomando os seus postos de trabalho e a operação volta ao normal gradativamente.

A Companhia lamenta que pessoas mal intencionadas se aproveitem dos usuários que estão atrás de informações sobre a operação ferroviária e ressalta que disponibiliza a Central de Atendimento ao Usuário pelo telefone 0800 055 0121 para esclarecimento de dúvidas. As informações também são divulgadas nas redes sociais e no site www.cptm.sp.gov.br.

A CPTM considera irresponsável a decisão arbitrária do sindicato das linhas 7 e 10 de optar pela greve, prejudicando mais de 800 mil usuários em uma ação desproporcional em relação ao seu motivo, pois os empregados não terão prejuízo financeiro e têm garantido pela empresa o pagamento total do PPR (Programa de Participação nos Resultados).”

Redes Sociais

Siga o Mobilidade Sampa nas redes sociais:

Facebook: https://www.facebook.com/mobilidadesampa
Twitter: https://twitter.com/MobilidadeSampa
Instagram: https://www.instagram.com/mobilidadesampa

* Post atualizado em 11/04/2017 às 23h14

Deixe seu comentário