São Paulo registra madrugada mais fria do ano nesta terça-feira

A cidade de São Paulo registrou nesta terça-feira, 24, a madrugada mais fria do ano, segundo dados do Instituto Nacional de Metereologia (Inmet). O Mirante de Santana, na zona norte, registrou 9,5ºC durante a madrugada – até então, o recorde havia sido de 10ºC, no dia 2 de maio. A sensação de frio deve continuar ao longo do dia, com a temperatura máxima de 18ºC.

A terça-feira começou com formação de neblina, garoa e chuviscos em São Paulo, por causa dos ventos úmidos que sopram do oceano. Na Capela do Socorro, na zona sul, os termômetros chegaram a marcar 7,5ºC.

De acordo com a metereologista do Climatempo, Fabiana Weykamp, a queda na temperatura é decorrente da sequência de massas de ar polares que estão chegando na capital nas últimas semanas. “No fim de abril, houve rompimento de um bloqueio atmosférico e, com isso, as frentes frias avançam com bastante facilidade. E toda frente fria vem acompanhada de massa de ar polar, provocando queda acentuada ou não da temperatura”, explicou. “De abril para cá, foi a quarta massa de ar popular que chegou a São Paulo.”

Próximos dias

De acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), a massa de ar polar mantém as temperaturas baixas nos próximos dias, principalmente durante as madrugadas. No período da tarde, o sol deve voltar a predominar e ajudar a diminuir a sensação de frio.

Esta quarta-feira, 25, ainda começará gelada, com variação de nebulosidade, formação de neblina e chuviscos. No decorrer do dia, o tempo melhora e o sol retorna entre nuvens. Ainda segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências, as temperaturas variam entre 9ºC e 22ºC. No fim da tarde, a nebulosidade deve aumentar, com pouca chance, porém, de chuva.

Na quinta-feira, 26, o sol deve voltar a predominar com temperaturas baixas durante a madrugada e em gradativa elevação ao longo do dia. O Centro de Gerenciamento de Emergências prevê que termômetros variem entre 11ºC e 24ºC. Entre o fim da tarde e o início da noite a nebulosidade aumenta, mas não há previsão de chuva.

* Com informações do jornal O Estado de São Paulo 

Deixe um comentário