Mobilidade urbana: ganhos de eficiência no transporte de pessoas e cargas

100

Incentivar o público a optar pelo transporte público é o caminho para aumentar a competição e baixar o custo do transporte de passageiros, afirma Harald Zwetkoff, presidente da ViaQuatro.

“A demanda do setor é mais de serviço do que técnica. Há um sistema de energia e de comunicação muito complexo, mas o usuário precisa se sentir atraído pelo transporte público”, disse, durante sua participação no “Fórum Digitalização: Soluções para um Brasil mais competitivo“, promovido pela Folha nesta segunda-feira (28).

Zwetkoff também destacou a importância dos investimentos na interconexão entre os meios de transporte. “A intermobilidade pressupõe mais metrô e melhora na interconexão entre os meios de transporte.”

Para João Gouveia Ferrão Neto, diretor técnico da ANPTrilhos e de operações da SuperVia do Rio de Janeiro, faltam políticas públicas no setor. ”Não temos estrutura suficiente para nos transportamos a contento. País desenvolvido é onde o rico anda de transporte público”, afirmou.

A busca de eficiência no setor foi o ponto principal defendido por Ferrão Neto. “É preciso uma intervenção muito forte nos modais para que você pratique a multimobilidade. A extensão do segmento metroviário ainda é muito incipiente.”

O debate também contou com a presença de Frederico Bussinger, ex-secretário municipal dos Transportes e consultor do Idelt (Instituto de Desenvolvimento, Logística, Transporte e Meio Ambiente). De acordo com ele, a mobilidade é um enorme campo de atuação para a digitalização.

“Temos 46% dos caminhões andando vazios em São Paulo. Isso mostra uma desorganização sistêmica. É uma grande oportunidade colocada. Há coisas que podemos fazer com a tecnologia disponível e não estamos fazendo.”

Para Bussinger, enfrentar o problema da mobilidade na cidade de São Paulo e no Brasil passa por repensar, encarar e desenvolver projetos. “Fazer mais do mesmo não nos traz alento. Precisamos repensar para dar o salto necessário.”

Nesse sentido, Alessandro Germano, chefe de parcerias do Google Brasil, afirmou que a tecnologia pode vir a resgate da mobilidade, ressaltando que o aumento da infraestrutura continuará sendo necessário.

“Uma em cada cinco buscas no Google é sobre deslocamento. A mobilidade urbana está intimamente ligada à mobilidade tecnológica. As pessoas precisavam dessas informações há muito tempo, mas hoje há soluções para isso”, disse, em referência ao uso de smartphones e de aplicativos para transporte disponíveis.

Fonte: Folha de São Paulo

Deixe seu comentário