Em reconstituição, ciclista repete que estava fora de ciclovia sob Minhocão

Aposentado de 78 anos morreu na segunda-feira (17) atingido por bicicleta.
Gilmar Raimundo de Alencar mostrou aos policiais como ocorreu acidente.

O ciclista e administrador de empresas Gilmar Raimundo de Alencar, de 45 anos, repetiu nesta sexta-feira (21), durante a reconstituição do atropelamento e da morte do aposentado Florivaldo Carvalho Rocha, de 78 anos, que não estava pedalando dentro da ciclovia localizada na Avenida General Olímpio da Silveira, sob o Minhocão.

O delegado Lupércio Antônio Dimov, do 23º Distrito Policial em Perdizes, disse que o ciclista deverá ser indiciado por homicídio culposo. De acordo com Dimov, a polícia ainda aguarda o laudo necroscópico para confirmar se Florivaldo morreu por traumatismo craniano, com o impacto da batida da cabeça no chão, ou por excesso de velocidade da bicicleta.

“Sou livre para tomar minhas decisões. Se eu cometi imprudência? Seria melhor eu falar que estava na ciclocivia? Tudo bem. Seria melhor se eu estivesse mesmo lá. Mas em algum momento a verdade poderia me desmentir. E eu iria gerar todo um conflito político. O debate sobre a ciclovia deve acontecer normalmente”, disse Gilmar.

O ciclista alega que estava a 20 km/h e que uma das pilastras do Minhocão acabou o impedindo de visualizar o pedestre. O filho da vítima e o síndico do prédio em frente ao acidente serão ouvidos nos próximos dias. “Uma ciclovia naquele local causa temor. Está feita em um lugar inapropriado”, disse o delegado ao G1. Segundo ele, mesmo que o ciclista estivesse na ciclovia, a pilastra teria impedido que o pedestre fosse visto.

Versão do administrador

Segundo Alencar, administrador de fazendas de 45 anos, ele pedalava na faixa de ônibus da avenida, para alcançar a guia rebaixada de acesso à ciclovia alguns metros à frente.

“Eu estava prestando atenção no trânsito, estava com o foco na frente. Não tive a menor chance de reação”, disse. “Não estava na ciclovia, estava na rua. Ia acessar a ciclovia. Estava fazendo a trajetória da pista e o impacto se deu na rua, na faixa de ônibus, um pouco antes do acesso da ciclovia o canteiro a 50m”, disse.

Para o ciclista, a pilastra pode ter impedido que o idoso enxergasse a bicicleta e levado a vítima a atravessar a rua bem em frente ao seu trajeto. “Ele caiu na rua. Caímos os dois. Então o coloquei na calçada, perto da ciclovia, para poder prestar socorro”, afirmou. “A pilastra prejudicava minha visão da calçada, mas quem provavelmente ficou prejudicado foi o pedestre, que não me viu e se pôs na minha frente.”

O ciclista disse que socorreu o idoso deitando o aposentado no canteiro central da avenida, sob o Minhocão, ao lado da ciclovia, e chamou o resgate. A vítima foi levada para o hospital, mas não resistiu. Alencar chegou a ir ao prédio onde o aposentado mora, bem próximo ao local do acidente, para saber sobre seu estado de saúde, onde foi informado da morte de Rocha.

De acordo com o delegado Lupércio Dimov, do 23º DP em Perdizes, o ciclista disse em seu depoimento que pedalava a aproximadamente 20 km/h. O filho da vítima, o administrador Eduardo Carvalho Rocha, disse ao Bom Dia SP que o ciclista estava em alta velocidade.

“Meu pai saiu para comprar um pão, ele atravessou a avenida e quando ele entrou na parte de pedestre da ciclovia foi atropelado por uma bicicleta. Essa bicicleta vinha em alta velocidade, pegou ele e consequentemente por ser uma pessoa já idosa ele sofreu ferimentos, vindo a falecer”, afirmou.

Pedestres caminham pela ciclovia do Minhocão (Foto: Márcio Pinho/G1)

Fonte: G1

Deixe um comentário