17.2 C
São Paulo
sábado, abril 20, 2024

Protesto de motoristas fecha por 2 horas todos os terminais de ônibus de SP

Categoria exigia reajuste salarial e manteve bloqueio das 10h às 12h.
Dia começou com um protesto de morotistas de micro-ônibus no Centro.

Todos os 29 terminais de ônibus da cidade de São Paulo e mais quatro terminais que operam em estações do Metrô fecharam na manhã desta terça-feira (12) por conta de paralisação dos motoristas e cobradores. Eles reivindicavam reajuste salarial. A São Paulo Transporte (SPTrans) destacou que as negociações deveriam prosseguir sem afetar a população. São Paulo tem 14.768 ônibus que percorrem 1.388 linhas, segundo a SPTrans para atender 3,8 milhões de passageiros todos os dias.

O protesto nos terminais durou duas horas, das 10h às 12h desta terça. Após o meio-dia, os ônibus começavam a ser manobrados para deixar os terminais, mas com a grande concentração de veículos parados, a situação deve demorar para se normalizar.

O Mobilidade Sampa acompanhou a paralisação dos ônibus em TEMPO REAL. Confira: bit.ly/1ctuipb

Os problemas para os passageiros começaram logo no início da manhã com uma manifestação de motoristas de micro-ônibus que fazem o transporte entre cidades da Grande São Paulo reuniu cerca de 60 veículos parados na Rua Boa Vista, Centro de São Paulo. O ato não tinha relação com o protesto dos motoristas e cobradores de ônibus.

Às 6h45, os micro-ônibus ocupavam duas das três faixas, em frente à Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos, na altura do número 175. Apenas uma faixa e a ciclovia ficaram liberadas, mas havia carros e pessoas passando pela via de bicicletas.

Por volta de 9h55, os motoristas bloquearam a saída do Terminal Parque Dom Pedro II e deram início ao protesto nos terminais de ônibus. Passageiros foram avisados pelo sistema de som do terminal de que a paralisação deixaria as linhas fora de operação entre 10h e 12h. O mesmo anuncio também foi divulgado na estação Pinheiros da CPTM. Logo a paralisação atingiu todos os terminais de ônibus operados pela SP Trans.

O presidente do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano, Valdevan Noventa, disse que a manifestação desta terça “é um alerta para todos”. Ele afirmou que a manifestação por reajuste salarial ocorre após três tentativas frustradas de negociação entre o sindicato e o setor patronal.

Segundo ele, foi oferecido reajuste de 7,21%, PLR de R$ 600, e tíquete refeição de R$ 17,69. A categoria reivindica aumento da inflação mais 7%, PLR de R$ 2 mil e vale refeição de R$ 22.
Em nota, a SP Trans destacou a necessidade de as conversas sobre salário seguissem e a operação do sistema não sofresse descontinuidade. “É fundamental que as duas partes negociem e cheguem a um acordo para que a população não seja prejudicada”, diz nota.

Protesto melhora o trânsito

A paralisação dos motoristas e cobradores acabou provocando uma melhora no trânsito de São Paulo na metade da manhã. O trânsito melhorou 40% após o início do protesto. Por volta de 11h, a Capital somaba 36 km de filas, lentidão abaixo da média para o horário, que varia entre 49 km e 79 km de filas. às 10h30 havia 62 km de filas. Uma hora depois, a lenditão tinha caído quase que pela metade, para 36 km.

Com informações do G1 São Paulo.

MOBILIDADE SAMPA

Siga o Mobilidade Sampa nas redes sociais e fique informado sobre a mobilidade urbana de São Paulo e Região Metropolitana:

  • Twitter
  • Instagram
  • Telegram
  • Facebook
  • YouTube
  • LinkedIn
  • Eduardo Paulino
    Eduardo Paulinohttps://eduardopaulino.com
    Paulistano, empresário, aquariano e prestativo. É apaixonado pelos temas marketing digital, mobilidade urbana, recursos humanos e empreendedorismo. É o criador dos sites de mobilidade do Grupo PLN. Quer entrar em contato com o Eduardo? Conecte com ele no LinkedIn ou envie um e-mail para eduardo@mobilidadesampa.com.br.

    ÚLTIMOS POSTS

    SIGA-NOS

    6,317SeguidoresSeguir
    28,236SeguidoresSeguir
    439InscritosInscrever
    PUBLICIDADE

    ÚLTIMOS POSTS